iniciativas

Galp desafia alunos a resolverem problemas reais

Equipa do programa programa “Nova Management Consulting Labs” (Foto: direitos reservados)
Equipa do programa programa “Nova Management Consulting Labs” (Foto: direitos reservados)

Durante três meses, alunos de mestrado integram equipas de consultoria e são desafiados a encontrar soluções para problemas reais.

Colocar alunos a resolver problemas reais. É este o objetivo do programa “Nova Management Consulting Labs”, que a Galp promove em parceria com a Universidade Nova.

Estes “laboratórios” funcionam como uma verdadeira consultora: uma equipa de três a seis alunos de mestrado, supervisionados por um professor, aborda um problema proposto por um cliente empresarial. O projeto dura cerca de três meses e acontece na altura do desenvolvimento da tese de mestrado dos alunos. “São problemas reais que nós queremos ver estudados e que queremos ver desenvolvidos”, conta João Torneiro, diretor de marketing e desenvolvimento de negócio da Galp, ao Dinheiro Vivo.

O responsável pelo programa do lado da Galp adianta que os problemas endereçados a estes estudantes são muitas vezes “questões estratégicas e não meramente operacionais”. Passados os três meses, “a bola fica do nosso lado”, diz. Ou seja, a empresa fica com os resultados, mas a sua implementação não é imediata. “Alguns resultados são quick wins, coisas que podemos fazer já e ver resultados, outros requerem alguma transformação e adaptação”.

João Torneiro destaca a “frescura” das gerações mais novas que “vêm com um ponto de vista totalmente descomplexado e sem preconceitos analisar os temas propostos”.

As equipas são construídas pela Universidade Nova, sob alçada da professora Constança Casquinho, que garante ser “um processo desafiante”. “Como queremos ser uma faculdade muito prática, criámos esta figura legal do work project que são teses práticas e que podem ser projetos com as empresas”, conta.

Os alunos candidatam-se no semestre anterior e são entrevistados por Constança Casquinho. “O grande desafio nem é propriamente selecioná-los porque nunca me surgiu um aluno que eu pensasse que não era capaz. O desafio é montar as equipas, porque estes alunos são millenials. Antes nós aceitávamos tudo o que nos surgia e fazíamos. Estes alunos não são assim e ainda bem”.

A docente encara esta parceria como uma best practice e afirma que o feedback dos alunos “tem sido muito bom”.

É o caso de Carolina Rodrigues. Atualmente com 27 anos, trabalha na Galp na área Digital Gas&Power. “A Galp foi a empresa onde tive o privilégio de realizar os Consulting Labs. Quando o projeto terminou não fiquei logo a trabalhar aqui, pois já sabia que tinha sido aceite no Programa de Trainees de uma outra empresa, e considerei que seria uma boa oportunidade de conhecer novas realidades. Mais tarde, acabei por regressar à Galp resultado também do networking estabelecido durante os Consulting Labs”.

Carolina Rodrigues garante que o programa é a “transição perfeita” entre o mundo académico e o mundo do trabalho. “Vivemos o dia-a-dia de um projeto de consultoria. Estamos na empresa, aprendemos os processos e fluxos do negócio, conhecemos os responsáveis e colaboradores que todos os dias fazem com que tudo aconteça, bem como as suas visões e planos para o futuro das áreas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Termina greve dos motoristas

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Galp desafia alunos a resolverem problemas reais