Desastre humanitário

Galp envia ajuda para Moçambique

(Pauo Spranger/Global Imagens)
(Pauo Spranger/Global Imagens)

Colaboradores da empresa ajudaram na recolha de comida e bens. Fundação da petrolífera envia ajuda à Cruz Vermelha.

Com negócios em Moçambique há mais de 60 anos, a Galp juntou-se à onda solidária de empresas portuguesas que arrancaram com ações para ajudar as populações moçambicanas vítimas do ciclone Idai. Em articulação com a Cruz Vermelha, a Fundação Galp mobilizou meios para enviar às vítimas do desastre humanitário e está já em vias de fazer chegar comida e bens de primeira necessidade à Beira.

“Em face da situação de calamidade que se está a viver no país, a Fundação Galp vai disponibilizar bens de emergência à Cruz Vermelha no valor de 150 mil euros para apoiar as operações de socorro às vítimas em Moçambique, com foco na província de Sofala”, explicou a petrolífera portuguesa.

“Consciente que a disponibilidade de combustível é fundamental para as operações de socorro e de reconstrução, a Galp está concentrada em assegurar a normalidade das operações nos seus postos de abastecimento nas zonas afetadas.”

Os produtos saíram já esta tarde da sede da Galp, nas Torres de Lisboa, depois de a empresa mobilizar os seus colaboradores em diversas geografias para a recolha de bens identificados pela Cruz Vermelha como essenciais para as populações afetadas. A carga será agora enviada por avião para Moçambique.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Galp envia ajuda para Moçambique