Energia

Galp investe 150 milhões de dólares em Moçambique até 2020

A Galp prevê investir cerca de 150 milhões de dólares (128,7 milhões de euros) na expansão da rede logística e de retalho em Moçambique.

A petrolífera portuguesa Galp prevê investir cerca de 150 milhões de dólares (128,7 milhões de euros) na expansão da rede logística e de retalho em Moçambique até 2020, operação iniciada em 2016, anunciou hoje a empresa em Maputo.

O plano prevê a duplicação do número de postos de combustível no país para mais de 70, referiu em comunicado a propósito da participação da Feira Internacional de Maputo (FACIM), que decorre até domingo.

“Com a chegada a Lichinga, a Galp alargou recentemente a sua rede de postos de abastecimento a todas as províncias do país”, destacou.

Com o investimento em curso, o número de postos de trabalho na área do retalho deverá crescer para mais de 2.600 colaboradores até final de 2020.

A empresa anunciou ainda a construção de duas novas bases logísticas para receção, armazenamento e expedição de combustíveis líquidos e de GPL nas cidades da Matola e da Beira”, passando a contar com quatro infraestruturas do género no país”, acrescentou.

Ao participar na FACIM, a Galp foi distinguida pela Agência para a Promoção de Investimento e Exportações de Moçambique (Apiex) e pelo ministério da Indústria e do Comércio moçambicano pelos investimentos em curso no país, mercado em que a empresa está presente há mais de 60 anos.

A petrolífera portuguesa tem ainda uma quota de 10% no consórcio de exploração de gás natural líquido (GNL) da área 04 da Bacia do Rovuma, no norte de Moçambique, liderado pela Eni e Exxon.

O consórcio anunciou há um ano a decisão final de investimento num plataforma flutuante de extração, liquefação e exportação de GNL das jazidas Coral e apresentou este ano o plano para investir a seguir nos depósitos Mamba com uma fábrica em terra.

O projeto Coral Sul deverá começar a produzir a partir de 2022 ao ritmo de 3,4 milhões de toneladas por ano, enquanto o projeto Rovuma LNG com gás extraído da zona Mamba deverá arrancar em 2024 com capacidade para fornecer 4,5 vezes mais, em simultâneo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Galp investe 150 milhões de dólares em Moçambique até 2020