transportes

Gastos com graffitis numa década davam para CP comprar um comboio novo

Em média, limpar cada metro quadrado pintado custa 7,35 euros aos contribuintes. (Ricardo Ramos / Global Imagens)
Em média, limpar cada metro quadrado pintado custa 7,35 euros aos contribuintes. (Ricardo Ramos / Global Imagens)

Limpeza dos desenhos custou 3,4 milhões de euros entre 2008 e 2019, mas ainda é insuficiente para retirar tudo. Transportadora reclama mais verba.

Os graffitis nos comboios não impedem apenas os passageiros de apreciarem a paisagem. A limpeza destes desenhos custou à CP nada menos de 3,4 milhões entre 2008 e 2019, despesa que permitiria à empresa comprar um comboio novo. Só entre 2010 e abril deste ano registaram-se mais de 12 mil atos de vandalismo no material circulante, de norte a sul do país. A companhia de transporte ferroviário exige ao Estado mais dinheiro para garantir a limpeza de toda a frota.

“O graffiti do material circulante é um ato de vandalismo”, refere fonte oficial da CP ao Dinheiro Vivo. O impacto destas pinturas não é meramente estético: prejudica utentes, maquinistas e contribuintes. A transportadora lembra que “quando é grafitado o vidro da cabine de condução, o maquinista fica sem condições de trabalho“.

E se os desenhos ocuparem a totalidade da janela, os ocupantes não sabem onde estão. A empresa assinala também que “uma frota de comboios limpa de graffitis é um contributo valioso para a perceção da qualidade do serviço prestado e da segurança do transporte ferroviário pelos clientes”.

Em média, limpar cada metro quadrado pintado custa 7,35 euros aos contribuintes. Por ano, a CP gasta entre 250 mil e 300 mil euros neste processo. As pinturas são feitas sobretudo nas linhas urbanas de Lisboa e do Porto e também nas linhas regionais do Vouga, Oeste e Algarve.

Interregional do Douro só com carruagens históricas a partir de julho

Para que os desenhos fiquem menos tempo nos comboios, a empresa reforçou as operações de limpeza já neste ano: nas linhas regionais, criou equipas permanentes para remover graffitis em Sernada do Vouga e em Vila Real de Santo António; no serviço urbano de Lisboa, tem operações diurnas na oficina de Carcavelos e operações noturnas na unidade de Algueirão.

Desta forma, “são dedicadas cerca de 2600 horas por mês à limpeza e remoção de graffitis nas oficinas de Contumil, Sernada do Vouga, Entroncamento, Lisboa Santa Apolónia, Campolide, Algueirão, Carcavelos e Vila Real Santo António”. Este esforço custou 158 mil euros nos primeiros quatro meses deste ano e permitiu a remoção de cerca de 19 mil metros quadrados de pinturas.

Vandalismo de milhões

A CP, no entanto, apenas tem autorização do Estado para gastar 250 mil euros por ano, até 2021, na remoção dos graffitis. Com este orçamento, apenas 30% dos desenhos são limpos. “Face à proliferação destas atividades ilícitas, a verba disponível é claramente insuficiente para garantir os meios humanos e materiais que permitam a necessária rapidez das operações de limpeza das unidades graffitadas”, reconhece a companhia.

E no atual contexto de escassez de material circulante da CP, a disponibilidade para a sua imobilização em oficina também é, naturalmente, reduzida”.

Para deixar o material como novo, a empresa teria de investir mais de um milhão de euros por ano na limpeza de toda a frota e ainda gastar dois milhões de euros na reparação de danos, como pintura, substituição de vidros e de bancos e ainda operações de manobras de material. A reparação dos danos implicaria também a retirada temporária do serviço das unidades a cuidar, o que teria um custo adicional de 800 mil euros.

Tudo somado, “estes atos de vandalismo provocam anualmente prejuízos entre 3 e 4 milhões de euros. Ou seja, o equivalente a comprar um comboio urbano novo todos os anos”, calcula a transportadora.

A empresa ferroviária também reclama verbas para o “reforço da vigilância dos parques de material circulante”, algo considerando “crucial” e que também implica “custos elevados. Junto do Governo, tem defendido a “alteração do enquadramento legislativo aplicável, prevendo a criminalização destas práticas, com consequências que efetivamente contribuam para inibir a sua repetição”.

Quem são os writers?

Os autores dos graffitis nos comboios são conhecidos como writers e desenham uma assinatura com letras que correspondem ao seu pseudónimo e que se repetem em todos os locais que são pintados.

”A sua origem social, étnica ou política é plural: existem ricos e pobres, comunistas e capitalistas a pintar comboios”, explica Pedro Soares Neves, da Urban Creativity, em declarações ao Dinheiro Vivo. A “grande maioria destes autores é jovem e do sexo masculino”, acrescenta o também investigador Ricardo Campos.

O hábito de pintar comboios nasceu em Nova Iorque, na década de 1970. “A base desta cultura é a aquisição de visibilidade e prestígio entre os pares. Para adquirir reputação é necessário pintar muito e bem. Também entra na equação o risco associado às ações, pelo que pintar uma carruagem do metro ou do comboio é geralmente mais valorizado”, contextualiza Ricardo Campos.

Considerando que “é muito difícil conter estas manifestações” e que os writers “desenvolvem táticas de contorno à vigilância e repressão”, os dois investigadores sugerem o envolvimento das empresas de transporte. Embora já tenha trabalhado com associações e artistas de arte urbana, a CP diz que, “no momento atual, não está prevista a realização de iniciativas neste âmbito” para limpar a imagem dos comboios e dos gastos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro-ministro, António Costa (E), ladeado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira (D), durante o debate parlamentar que antecede a votação do texto final apresentado pela Comissão de Orçamento e Finanças que aprova o Orçamento Suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 03 de julho de 2020. O parlamento deverá aprovar hoje, em votação final global, a proposta de orçamento suplementar, que se destina a responder às consequências económicas e sociais provocadas pela pandemia de covid-19. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Aprovado o Orçamento Suplementar apenas com o voto a favor do PS

Gastos com graffitis numa década davam para CP comprar um comboio novo