correios

Gestmin reforça nos CTT e passa a deter diretamente 11,92% do capital social

30% do capital dos CTT ainda não foi privatizado
30% do capital dos CTT ainda não foi privatizado

A Gestmin reforçou a sua posição nos CTT, passando a deter diretamente 11,92% do capital social e dos direitos de voto da empresa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT informam que as aquisições de ações foram feitas pela Gestmin nos dias 05 de janeiro (261.000 ações), 08 de janeiro (176.000 ações), 09 de janeiro (250.000 açoes) e 10 de janeiro (145.000 ações).

Na sequência destas transações, a Gestmin passou a deter, diretamente 17 878 112 ações representativas de 11,92% do capital social e dos direitos de voto dos CTT, segundo o comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Gestmin reforça nos CTT e passa a deter diretamente 11,92% do capital social