Glovo investe em 16 dark stores para dar pedalada a entregas ultrarrápidas

Porto vai receber a segunda miniloja nas "próximas semanas". Portugal é o país onde o Q-commerce da Glovo mais cresce.

Depois de consolidar posição na área das entregas de comida em casa, a Glovo está a dar gás às entregas ultrarrápidas de compras de supermercado, com a abertura de 16 dark stores para apoiar o desenvolvimento do Q-commerce em Portugal. O primeiro mini-armazém abriu em Lisboa, em maio do ano passado, e nas "próximas semanas" virá o segundo, no Porto, com os restantes a abrir nos próximos três meses pelo país.

A plataforma, presente em mais de 850 cidades de 20 países, investiu globalmente mais de 120 milhões de euros na unidade de Q-commerce. "Portugal é um mercado-chave para a expansão do Q-commerce", garante Ricardo Batista, country manager da Glovo em Portugal.

Com a pandemia a fazer disparar as compras online e o negócio das plataformas de entrega, a Glovo apostou no ano passado no segmento das entregas ultrarrápidas (30 minutos) e na abertura do supermercado virtual SuperGlovo. Portugal foi, segundo os números da plataforma de entregas, o país onde a categoria de Q-commerce da Glovo - SuperGlovo, retalho e entregas dos supers - mais cresceu: desde abril do ano passado, as receitas dispararam 940% e o número de utilizadores teve uma subida superior a 517%. Não surpreende, portanto, a decisão de expansão.

"A Glovo é, desde sempre, mais do que uma app de entrega de comida e, por isso, julgamos, que ao impulsionarmos o Q-commerce estamos a dar um passo considerável nesse sentido", justifica Ricardo Batista. "Queremos ser a plataforma líder de comércio local on-demand para que qualquer utilizador possa comprar qualquer produto da sua cidade praticamente de imediato, quando e onde quiser", diz o gestor.

Na unidade de Q-commerce, a Glovo investiu mais de 20 milhões de euros, aos quais se juntaram mais 100 milhões da plataforma suíça Stoneweg para desenvolvimento de infraestruturas em diversos países, incluindo em Portugal. Ricardo Batista não revela o montante alocado ao território nacional, mas garante que o país "é um dos principais mercados-chave para a expansão do Q-commerce".

SuperGlovo em expansão

Há um ano, a companhia começou a operar o seu primeiro armazém urbano em Lisboa, com a abertura do SuperGlovo. Em 2021, a ordem é aumentar a mancha de cobertura. "Planeamos expandir os nossos armazéns SuperGlovo em Portugal. Já operamos em Lisboa e iremos abrir no Porto nas próximas semanas. O plano inclui também outras cidades onde operamos", adianta Ricardo Batista. Ao todo, contam abrir 16 minilojas nos próximos três meses.

O mini-armazém de Lisboa, instalado na zona da Estefânia, serve o SuperGlovo, super digital de conveniência onde os utilizadores têm disponível um total de 3 mil referências de produtos de marcas como Nestlé, SuperBock, Coca-Cola, Olá, Limiano, Paladin, Danone ou Mimosa, mas também frescos, como fruta - morangos e bananas são os mais vendidos -, ovos e lácteos, pão ou verduras.

Produtos disponíveis na miniloja onde as encomendas, recebidas na aplicação, são preparadas por um operador, com as entregas a serem feitas todos os dias, em cerca de 20 minutos, sem valor mínimo de compra.

Hoje, o SuperGlovo já tem mais de 5000 utilizadores mensais, entregando uma média de 2,3 encomendas por minuto.

"A equipa de entregas (do Q-commerce) é constituída, atualmente, por mais de 100 trabalhadores, em resultado da expansão geográfica", refere Ricardo Batista. "Esperamos, naturalmente, que com esta nova expansão a equipa possa crescer nos próximos meses", diz, sem precisar a quantidade.

Uma equipa que serve de suporte aos outros dois verticais do Q-commerce, o retalho - assegurando as entregas de produtos de parafarmácia, beleza, moda, brinquedos, música, artigos eletrónicos ou de papelaria de cadeias como a Douglas, a Lush Cosmetics, a papelaria note! ou os grandes armazéns El Corte Inglés - e também alimentação.

A Glovo assegura as entregas rápidas de insígnias de retalho alimentar como o Continente, a Auchan, o Aldi ou o Minipreço e pretende "prosseguir a expansão destas alianças estratégicas nos próximos meses". A cadeia Meu Super deverá ser uma das próximas a juntar-se à Glovo.

A plataforma está já disponível para os clientes em mais de 60 cidades, incluindo Lisboa, Porto, Coimbra e Braga.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de