mobilidade

Glovo passa também a entregar aspirina e paracetamol

(Fotografia cedida pela Glovo Portugal)
(Fotografia cedida pela Glovo Portugal)

A Glovo vai passar a fazer entregas de medicamentos não sujeitos a receita médica à venda nas parafarmácias, como aspirina ou paracetamol. Com a pandemia do Covid-10 a aplicação viu disparar os pedidos de parafarmácia: entre os dias 30 de março e 5 de abril subiu 375% o número de pedidos.

“Esta é a nossa mais recente prova do apoio que prestamos às entidades do terceiro setor, mas também às farmácias, na entrega de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) ao domicílio, um vez que, além disso, já foi anunciado por outras entidades”, diz Ricardo Batista, country manager da Glovo em Portugal, citado em nota de imprensa.

Na Itália, o governo permitiu que as plataformas digitais como a Glovo entregassem medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM). Ness mercado, a empresa observou que 4 em 5 dos produtos mais vendidos nestas últimas semanas foram medicamentos não sujeitos a receita médica, principalmente paracetamol, descongestionantes, aspirina, analgésicos e antipiréticos.

Uma possibilidade que chega agora a Portugal, mercado onde a empresa está também está a permitir aos utilizadores obterem medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) na categoria de parafarmácia. “A empresa investiu mais do que nunca para oferecer medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) aos utilizadores em Portugal, com uma taxa de entrega reduzida e aumentando o número de parcerias com farmácias portuguesas e parafarmácias, como a Well’s, e respectivos produtos que oferecem na aplicação”, refere a aplicação em nota de imprensa.

“Exponencial” é como a Glovo descreve o aumento de pedidos de produtos de parafarmácia desde que o Estado de Emergência foi decretado em Portugal. No início de março, por exemplo, o crescimento médio de pedidos foi de 60%, e depois do anúncio do governo português o crescimento atingiu 167%, chegando a 300%, na semana de 23 de março, e a 375% na última semana.

“Este é um cenário que também ocorreu em outros países onde a Glovo opera, principalmente em Espanha, onde o aumento de pedidos de parafarmácia foi de 223%, de 9 a 15 de março; 430%, de 16 a 22 de março, e 733%, de 23 a 29 de março; e na Itália, com aumentos de 138% no início de março e 215%, de 16 a 22 de março”.

Compressas esterilizadas, seguidas de colírios, testes de gravidez, luvas de látex, termómetros, produtos para dores no pescoço e produtos de higiene íntima são dos produtos mais solicitados em Portugal pela aplicação, disponível em 35 cidades.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

ensino escola formação

Estes são os empregos e as competências mais procuradas em Portugal

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Glovo passa também a entregar aspirina e paracetamol