Tecnologia

Google multada em 50 milhões por violar RGPD em França

REUTERS/Charles Platiau
REUTERS/Charles Platiau

Decisão é resultado de duas queixas apresentadas por duas associações que representam 10 mil utilizadores.

A Comissão Nacional de Informática e Liberdade (CNIL), o regulador francês para a área da privacidade, multou a Google em 50 milhões de euros “por falta de transparência, informação insatisfatória e falta de consentimento válido para a personalização da publicidade”.

O regulador considera que a informação que a Google disponibilizou aos seus utilizadores sobre a utilização de dados pessoais não é suficientemente esclarecedora.

“Informações essenciais, tais como as finalidades para as quais os dados são processados, o período de tempo em que os dados são armazenados ou as categorias de dados usadas para personalizar o anúncio, estão espalhadas de forma excessiva em vários documentos, que incluem botões e links que é necessário acionar para ler as informações adicionais”, escreve a CNIL na sua deliberação.

“Os utilizadores não conseguem perceber a extensão dos tratamentos de informação feitos pela Google”, lê-se ainda no documento.

A CNIL torna-se assim a primeira entidade europeia a multar um dos gigantes tecnológicos norte-americanos e tendo por base a novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, que passou a ser vinculativo na União Europeia a 28 de maio de 2018.

Apesar do valor avultado, a multa ficou muito longe do máximo que está previsto no RGPD: a coima pode ir até 4% da faturação anual das empresas e no caso da Google, a empresa faturou 33 mil milhões de dólares só no terceiro trimestre de 2018.

A Google já reagiu. Além de dizer que vai analisar a decisão da CNIL para decidir os seus próximos passos, referiu também estar “bastante comprometida” com o controlo e transparência da utilização dos dados para os seus utilizadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Google multada em 50 milhões por violar RGPD em França