Tecnologia

Google reforça combate a notícias falsas

Fotografia: REUTERS/Lucy Nicholson
Fotografia: REUTERS/Lucy Nicholson

A Google vai utilizar as observações dos utilizadores e de avaliadores sobre os resultados das pesquisas para reforçar combate a notícias falsas.

A Google vai utilizar as observações dos utilizadores e de avaliadores sobre os resultados das pesquisas para introduzir “melhorias” no seu algoritmo e combater o fenómeno das notícias falsas, anunciou a empresa no seu blogue corporativo.

“Num mundo onde dezenas de milhares de páginas são publicadas ‘on-line’ a cada minuto e a cada dia, há novas maneiras de as pessoas tentarem burlar o sistema”, escreveu Ben Gomes, vice-presidente de Engenharia da Google.

A empresa considera que o problema das referidas “notícias falsas”, resultantes de manipulações tecnológicas, é “diferente em relação às questões do passado”, pois nesses casos são necessárias “mudanças estruturais” no motor de busca com um impacto no longo prazo.

“Parece que uma pequena parte das pesquisas no nosso tráfego diário (cerca de 0,25%) dá resultados ofensivos ou claramente enganosos”, referiu.

Para resolver esta situação, o motor de buscas do Google vai concentrar-se em melhorar os métodos de avaliação de conteúdos e atualizar o seu algoritmo que procura obter um resultado “bem documentado”.

No mês passado a Google atualizou as suas diretrizes de qualidade para os avaliadores, que já têm exemplos mais detalhados de páginas de baixa qualidade que devem reportar, uma mudança que ajuda a denunciar estes conteúdos.

“A partir de hoje, nós tornámos muito mais fácil para as pessoas apontarem diretamente os conteúdos inadequados”, disse Gomes.

A Google disponibilizou recentemente, a nível global, o marcador de verificação de factos (‘fact check’) no Google Notícias e no modo notícias da pesquisa Google, com Portugal incluído.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Angela Merkel e Donald Trump. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

FMI corta crescimento da Alemanha, mas Espanha ainda compensa

Outros conteúdos GMG
Google reforça combate a notícias falsas