Antiga Triumph

Governo a trabalhar para encontrar solução para antiga Triumph – Vieira da Silva

Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA
Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

As trabalhadoras da fábrica da antiga Triumph estão concentradas junto ao Palácio de Belém, para pedir a intervenção do Presidente da República.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou esta segunda-feira que o Governo continua a trabalhar para assegurar uma alternativa de investimento para a antiga fábrica da Triumph.

O Governo tem estado “a acompanhar de perto, através do Ministério da Economia e também do Ministério do Trabalho”, a situação da fábrica da antiga Triumph, sediada em Sacavém, no concelho de Loures, vincou o ministro.

“O ideal é que seja possível encontrar uma alternativa de investimento. O Governo continua a trabalhar no sentido de encontrar essa possibilidade”, disse Vieira da Silva, que falava aos jornalistas após a cerimónia de entrega do prémio cooperação e solidariedade António Sérgio, que decorreu na antiga Igreja de São Francisco, em Coimbra.

Caso tal seja impossível, explicou, “serão desencadeados todos os mecanismos para que o apoio social àquelas pessoas e àquelas famílias seja rápido e eficaz”.

“Infelizmente, mesmo num quadro de criação de emprego tão forte como aquele que estamos a viver, existem empresas que apresentam dificuldades e que, por vezes, não conseguem manter os seus postos de trabalho”, referiu Vieira da Silva.

As trabalhadoras da fábrica da antiga Triumph estão esta segunda-feira concentradas junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, para pedir a intervenção do Presidente da República.

As trabalhadoras da fábrica têm estado desde o dia 05 de janeiro em vigília à porta da empresa, depois de terem tomado conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência.

A fábrica da antiga Triumph (de roupa interior feminina) foi adquirida no início de 2017 pela TGI-Gramax e emprega atualmente 463 trabalhadores.

O investidor suíço Gramax entrou na antiga fábrica da Triumph e até ganhou carteira de clientes, mas, em novembro do ano passado, a administração da Têxtil Gramax Internacional comunicou aos trabalhadores que iria ocorrer um processo de reestruturação, que previa o despedimento de 150 pessoas.

A 05 de janeiro, depois de tomarem conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência, os trabalhadores começaram uma vigília à porta das instalações para impedir a saída de material.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves. (ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

TAP compromete-se a “adicionar e ajustar planos de rota”

O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Costa. Lay-off deve deixar de ser fator de perda de rendimento

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

1356 mortos e 31292 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Governo a trabalhar para encontrar solução para antiga Triumph – Vieira da Silva