transportes

Governo disponível para entregar STCP aos municípios até final da legislatura

No ano passado, a STCP comprou 40 novos autocarros. Fotografia: Fernando Pereira/Global Imagens
No ano passado, a STCP comprou 40 novos autocarros. Fotografia: Fernando Pereira/Global Imagens

Matos Fernandes admite que Estado central possa ficar com a dívida da empresa de autocarros da região do Porto, como fez com a Carris.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira ser possível entregar até ao final da legislatura a propriedade da STCP aos seis municípios que a gerem, considerando que “já parece mal” eles não serem os seus donos.

“Já parece mal não serem estas seis autarquias as donas da STCP [Sociedade de Transportes Coletivos do Porto]. Acho que este é mesmo o momento de dar o passo à frente”, afirmou o governante na cerimónia de Lançamento do Concurso Público para Renovação da Frota STCP, que atualmente é gerida pelos seis municípios onde opera.

Matos Fernandes garantiu que, tal como aconteceu com a Carris em Lisboa, o governo está disponível para assegurar “exatamente” as mesmas condições, nomeadamente assumindo o passivo financeiro da empresa.

“Eu acho que estamos ainda em tempo de, nesta meia dúzia de meses que este governo é governo, a STCP ser propriedade de vós seis. Não faz já sentido de outra forma”, defendeu.

João Matos Fernandes esteve hoje presente no lançamento do concurso público para a renovação da frota da STCP que pressupõe a aquisição de 81 novos veículos movidos a gás natural, num investimento global de mais de 19 milhões de euros, dos quais 53% oriundos do Fundo de Coesão.

A STCP é gerida pelos municípios do Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Maia, Gondomar e Valongo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

Governo disponível para entregar STCP aos municípios até final da legislatura