transportes

Governo fecha novo acordo de contrato coletivo de trabalho da IP

Um utente transporta a sua bicicleta na plataforma da Estação de Santa Apolónia no dia da greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) e empresas participadas (IP-Telecom; IP-Engenharia; IP-Património), em Lisboa, 31 de outubro de 2018. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA
Um utente transporta a sua bicicleta na plataforma da Estação de Santa Apolónia no dia da greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) e empresas participadas (IP-Telecom; IP-Engenharia; IP-Património), em Lisboa, 31 de outubro de 2018. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Documento foi subscrito por todas as estruturas sindicais e resolve situação que originou várias paralisações dos comboios nos últimos anos.

Há um novo acordo de contrato coletivo de trabalho na IP- Infraestruturas de Portugal. A empresa pública que gere as estradas e linhas de comboios nacionais conseguiu que o documento fosse subscrito por todas as centrais sindicais. O acordo anunciado esta quinta-feira serve para pôr termo a vários anos de contestação social neste sector e que deram origem a várias greves ferroviárias nos últimos anos.

“Concluiu-se, com a articulação das tutelas setorial e financeira, o processo negocial entre as Infraestruturas de Portugal, S.A. e as estruturas sindicais para a celebração de um novo acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores integrados na IP e empresas participadas”, refere a nota de imprensa divulgada pelo Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

O gabinete de Pedro Nuno Santos assinala ainda que este acordo “promove maior equidade” entre os trabalhadores que estavam na antiga Refer e na antiga EP – Estradas de Portugal.

Os efeitos das alterações ao contrato coletivo de trabalho “reportam-se a 1 de janeiro de 2019”. O “aumento dos subsídios existentes, a uniformização da atribuição de determinados direitos entre trabalhadores, nomeadamente o direito a 25 dias de férias ou a compensação pelo trabalho suplementar ou noturno, e a reorganização dos índices das categorias profissionais” são as principais alterações introduzidas graças a este acordo.

A federação de sindicatos Fectrans destaca em comunicado que estas alterações “dão mais garantias aos trabalhadores, retiram discriminações e colocam-nos em melhor posição para, numa futura negociação, melhorar aquilo que ainda não foi possível ultrapassar”. Estas negociações “estavam a decorrer desde maio de 2018”, recordou José Manuel Oliveira, dirigente da Fectrans.

Novo ministro “talvez tenha ajudado”

A reta final das negociações ficou marcada pela mudança de ministro das Infraestruturas, com a troca de Pedro Marques por Pedro Nuno Santos. Esta alteração “talvez tenha ajudado” a fechar o acordo anunciado esta quinta-feira, entende José Manuel Oliveira.

O acordo de contrato coletivo de trabalho é válido por cinco anos, com os níveis salariais a serem atualizados todos os anos.

(Notícia atualizada às 15h42 com declarações de José Manuel Oliveira, dirigente da Fectrans)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

(REUTERS/Rafael Marchante)

2019 a caminho de ser o melhor ano de sempre da Autoeuropa

Outros conteúdos GMG
Governo fecha novo acordo de contrato coletivo de trabalho da IP