Governo mantém todas as opções em aberto para os CTT

A menos de dois meses do fim do contrato de concessão, o ministério das Infraestruturas mantém negociações com os CTT relativamente ao serviço postal universal.

O Governo mantém todas as opções em aberto relativamente ao futuro da concessão do serviço postal universal aos CTT. O contrato com a empresa postal portuguesa termina daqui a menos de dois meses, no final de 2020 mas ainda decorrer negociações, indicou esta quarta-feira no Parlamento o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

"Há conversas em relação aos CTT e com o nível de qualidade exigido para o serviço. Este trabalho está a ser feito com serenidade. Nenhuma opção está excluída neste momento", respondeu Pedro Nuno Santos à pergunta da deputada do Bloco de Esquerda Isabel Pires durante a audição parlamentar na especialidade relativa ao Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Os CTT, detidos pelos privados desde setembro de 2014, já manifestaram interesse em renovar o contrato de concessão com o Estado. O concurso para escolher o prestador do serviço postal universal deverá ser lançado ainda neste semestre. Os partidos mais à esquerda (PCP e BE) defendem a nacionalização da empresa postal.

A informação de Pedro Nuno Santos surge no dia em que a empresa apresentou os resultados nos primeiros nove meses de 2020. Nem a ligeira subida no terceiro trimestre nas receitas operacionais dos CTT, nem o aumento das receitas do segmento das encomendas, foi capaz de estancar a sangria de 81,1% nos lucros até setembro. O operador postal fechou os primeiros nove meses do ano com lucros de 4,3 milhões. Há um ano apresentava resultados líquidos de 22,9 milhões.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de