Espaço

Governo quer incentivar uso de dados espaciais e produção de satélites

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Ministro da Ciência, Manuel Heitor, quer promover estratégica nacional espacial "Portugal Espaço 2030"

O ministro da Ciência afirmou hoje, em Matosinhos, que o Governo pretende estimular “novos utilizadores” de dados obtidos no espaço e incentivar parcerias internacionais que permitam a participação de equipas portuguesas na produção de novos satélites.

“Hoje o espaço deixou de ser uma ficção. O espaço é uma realidade e hoje pode-se fazer melhor arquitetura, melhor pesca, melhor desenvolvimento urbano e melhor segurança com dados do espaço que começam a estar disponíveis”, disse Manuel Heitor.

Segundo o ministro, que falava à Lusa no Centro de Engenharia e Inovação — CeiiA, em Matosinhos, distrito do Porto, no âmbito de um encontro internacional destinado a discutir agendas de investigação e desenvolvimento na área das novas indústrias espaciais, a estratégia “Portugal Espaço 2030” tem como principal eixo “desenvolver novas aplicações, novos mercados e utilizadores em todas as áreas”.

“O leque de aplicações [de dados provenientes do espaço] é muito grande”, frisou.

O ministro referiu também que Portugal, devido à sua capacidade científica e tecnológica, “tem de ficar na corrida ao espaço e na facilidade de democratizar o acesso ao espaço”, sendo, por isso, muito importante “incentivar parcerias internacionais que facilitem equipas portuguesas na produção de novos satélites”.

Leia aqui: Trazer à Terra o que de melhor se faz no Espaço

Entrar “nas novas tecnologias para lançar os satélites” é também outro objetivo, disse Manuel Heitor, sublinhando a “posição estratégica do país para novos lançadores”, nomeadamente através dos Açores.

O ministro referiu que a estratégica nacional espacial (Portugal Espaço 2030) tem ainda um “eixo de capacitação científica e tecnológica”.

“É uma área de evolução muito rápida, temos de estar constantemente a capacitar, formar, educar, a abrir os leques daquilo que é hoje a possibilidade das tecnologias espaciais”, sustentou.

Esta deslocação ao CeiiA insere-se no âmbito de uma série de visitas que o ministro está a realizar desde o início do mês para apresentar o documento preliminar sobre a estratégia nacional para o espaço, que se encontra em discussão pública até setembro.

“Andamos a discutir, dinamizar ideias, atrair empreendedores, investigadores e utilizadores para o espaço”, disse.

Após o período de discussão pública, o Governo aprovará, com base nos contributos, uma estratégia, que passará também pela submissão ao parlamento de uma nova lei, depois do período de férias.

No dia 30 de junho, o ministro anunciou, em Lisboa, na apresentação do programa do encontro nacional de ciência de 2017, que Portugal vai criar uma “lei do espaço” para regular a atividade no setor.

Segundo o calendário previsto, o novo diploma deverá ser aprovado pelo Governo até setembro.

Com a nova legislação, o Governo pretende regular a atividade ligada ao setor do espaço, seguindo a prática de países europeus como França e Luxemburgo, onde existe um regime do género em vigor, e do Reino Unido, onde uma lei está em discussão.

A criação de uma “lei do espaço” é uma das vertentes da estratégia nacional a desenvolver para o setor até 2030 – “Portugal Espaço 2030”.

A estratégia “Portugal Espaço 2030” define 11 projetos-piloto, envolvendo a participação de entidades nacionais e estrangeiras, para uso de dados de satélite para, nomeadamente, monitorização do estado das estradas, pontes e barragens e prevenção de riscos de sismo, gestão de florestas e prevenção de fogos, acompanhamento do clima, apoio à pesca, promoção da segurança marítima e difusão em massa de conteúdos educativos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Casas em leilão

Selo sobre venda de casas deu num ano mais 50 milhões de euros ao Estado

Former U.N. chief Kofi Annan addresses an advisory commission in Sittwe, Myanmar, September 6, 2016. REUTERS/Wa Lone

Kofi Annan: O diplomata premiado pela defesa da paz

Carlos Saturnino, Sonangol.

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Sonangol vai manter posições na Galp e no BCP

Outros conteúdos GMG
Governo quer incentivar uso de dados espaciais e produção de satélites