Governo quer usar 1500 milhões do Portugal 2020 como crédito às PME

Ministro da Economia fez o encerramento desta Conferência anual da Caixa Geral de Depósitos
Ministro da Economia fez o encerramento desta Conferência anual da Caixa Geral de Depósitos

O Governo está a trabalhar para que 1500 milhões de euros do Portugal 2020 possam ser utilizados como crédito para as Pequenas e Médias Empresas através do Banco de Fomento. A notícia foi avançada esta terça-feira por António Pires de Lima, à margem da Grande Conferência Empresas na Caixa, uma parceria entre a CGD, o Dinheiro Vivo, o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias e a TSF.

“Estamos neste momento a trabalhar o concurso para poder utilizar 1500 milhões de euros de fundos europeus como instrumento de crédito e de capital através da Instituição Financeira de Desenvolvimento ainda durante o segundo semestre de 2015”, afirmou, acrescentando que as verbas serão divididas em 750 milhões de euros para linhas de crédito e 750 milhões de euros para linhas de capitalização para as Pequenas e Médias Empresas.

O Banco de Fomento, cujo nome oficial é Instituição Financeira e Desenvolvimento, acrescentou Pires de Lima, já obteve, “há uma semana a licença do Banco de Portugal definitiva e, portanto, estamos finalmente a contratar pessoas para a estrutura da instituição que já tem uma comissão executiva a funcionar desde janeiro”.

Entretanto, acrescentou o minustro “ajudou a montar uma linha de capitalização no valor de 100 milhões de euros”, que poderá ser ativada pelas instituições financeiras.

“É a primeira vez que a linha PME Crescimento negociada com os bancos introduz uma vertente de instrumentos de capital vocacionados para as PME e micro empresas”, sublinhou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(FOTO: Lisa Soares/GI)

Idade média da reforma no privado no valor mais alto em 20 anos

O ex-secretário de Estado da Energia, Artur Trindade

EDP e ex-secretário de Estado vão ser constituídos arguidos

Peter Wilhelm

“Diminuição significativa das rendas pode provocar efeito dominó” na banca

Governo quer usar 1500 milhões do Portugal 2020 como crédito às PME