autoeuropa

Greve na Autoeuropa está afastada mas horas extra travam acordo

Rogério Silva (E) da Fiequimetal e Eduardo Florindo do SITE-SUL falam aos jornalistas durante a conferência de imprensa sobre a situação laboral na Volkswagen Autoeuropa, Setúbal, 10 de janeiro de 2018. Fotografia: RUI MINDERICO/LUSA
Rogério Silva (E) da Fiequimetal e Eduardo Florindo do SITE-SUL falam aos jornalistas durante a conferência de imprensa sobre a situação laboral na Volkswagen Autoeuropa, Setúbal, 10 de janeiro de 2018. Fotografia: RUI MINDERICO/LUSA

Maior sindicato da fábrica de Palmela acusa administração de não contribuir para a paz social e quer aumento mínimo de 50 euros

Está afastado o cenário de nova greve na Autoeuropa. Apesar de os trabalhadores terem aprovado, em dezembro, a paragem da fábrica a 2 e 3 de fevereiro, o maior sindicato da empresa não deverá entregar pré-aviso de greve nas próximas semanas. “Há ainda muita margem para negociar”, diz o SITE-Sul, afeto à CGTP, que deixou seis sugestões à administração para que continue a dialogar com a comissão de trabalhadores e de forma a que o trabalho ao sábado deixe de ser imposto mas sim de adesão voluntária. Até lá, haverá novos plenários. O pagamento aos sábados é o principal ponto de discórdia.

Na reunião [de terça-feira],foi dito [pela administração] que o sábado será pago como um dia normal. Ponto. Para que fique claro de uma vez por todas: na reivindicação que os trabalhadores apresentam – tendo eles disponibilidade para trabalhar aos sábados -, está implícito o pagamento como trabalho suplementar tal como hoje é praticado na Autoeuropa”, referiu Rogério Silva, dirigente da Fiequimetal, federação a que pertence o SITE-Sul.

Contactada pelo Dinheiro Vivo, a administração da empresa nega que o trabalho ao sábado não vá ser pago como horas extra. E lembra: a nota interna enviada em dezembro refere que há um “prémio adicional de 100% sobre cada sábado trabalhado”.

A administração da empresa, liderada por Miguel Sanches, tentou clarificar a situação no início da semana. “Além do trabalho mensal, cada sábado trabalhado é pago com um acréscimo no valor de uma dia normal de trabalho”, refere a empresa numa nota enviada aos trabalhadores na segunda-feira, a que o Dinheiro Vivo teve acesso.

Por cada sábado de produção a partir de 29 de janeiro, os trabalhadores vão receber mais 4,6% por uma semana de cinco dias de trabalho em comparação com o montante recebido atualmente pelo trabalho entre segunda a sexta-feira.

Por exemplo, um operário do escalão mais baixo de produção (A0), em vez de receber 825 euros brutos passa a auferir 863 euros por mês. No entanto, deixa de ter folgas dois dias consecutivos e só tem descanso fixo ao domingo; o outro dia de folga irá decorrer a meio da semana, segundo o horário imposto pela administração a partir de 29 de janeiro.

Esta compensação pelo trabalho ao sábado fica abaixo das pretensões do SITE-Sul, que defende aumentos salariais não inferiores a 50 euros por mês e que este dia de laboração seja voluntário e não obrigatório.

Além destas duas propostas, este sindicato sugeriu também à administração que a empresa passe a “suportar qualquer acréscimo de despesa dos trabalhadores que tiverem de deixar filhos com amas; uma nova linha de montagem na fábrica para “permitir melhor organização do tempo de trabalho no futuro e para ter mais capacidade produtiva”; e o “aumento das duas pausas diárias, de 7 para 15 minutos para prevenir mais doenças profissionais” na fábrica de Palmela.

A administração aceitou estudar estas sugestões. “Tem havido pequenas evoluções” da parte da Autoeuropa, entende o sindicato. Hoje, a empresa vai voltar a reunir com a comissão de trabalhadores para tentar chegar a um novo acordo. A Autoeuropa tem de produzir 240 000 unidades em 2018 para responder à forte procura pelo SUV T-Roc em toda a Europa. E para afastar o cenário de deslocalização de parte da produção de Palmela para outras fábricas do grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

Certificados

25 mil milhões depois, Estado deixa de contar com financiamento das famílias

Outros conteúdos GMG
Greve na Autoeuropa está afastada mas horas extra travam acordo