Renováveis

Águas de Portugal com 18 milhões até 2020 para duplicar renováveis

João Nuno Mendes, Presidente da empresa das águas de Portugal.

(Vera Pinho  / Global Imagens)
João Nuno Mendes, Presidente da empresa das águas de Portugal. (Vera Pinho / Global Imagens)

O consumo anual elétrico do grupo ronda os 704 GWh, 1,4% do total nacional, sendo dos cinco maiores consumidores empresariais de eletricidade do país.

O grupo Águas de Portugal (AdP) vai investir 18 milhões de euros até 2020 para duplicar a produção renovável de energia e alcançar uma poupança anual da fatura energética de cinco milhões de euros.

De acordo com o Plano de Eficiência e de Produção de Energia (PEPE), que será apresentado hoje, o grupo AdP prevê aumentar em 25,6 Gigawatt-hora (GWh) a produção renovável de energia, mais do dobro da sua atual produção, que é de 24,4 GWh.

Dessa produção, refere o plano, “uma parte significativa destina-se a ser consumida nas próprias instalações, na sua maioria Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), fortes consumidoras de eletricidade, permitindo reduzir a fatura energética do grupo”.

O consumo anual elétrico do grupo ronda os 704 GWh, 1,4% do total nacional, estando entre os cinco maiores consumidores empresariais de eletricidade do país, representando a fatura energética 57% dos custos operacionais em 2016, o equivalente a cerca de 68 milhões de euros.

As medidas constantes no PEPE visam reduzir a fatura energética em mais de cinco milhões de euros por ano, o que significa que o investimento agora anunciado será recuperado em 3,6 anos.

Além do aumento da produção própria de energia, o plano prevê reduzir consumos, ajustar os respetivos horários e melhorar as condições de aquisição de energia.

Para aumentar a produção própria de energia, o grupo AdP vai maximizar o aproveitamento energético do biogás proveniente da digestão das lamas do tratamento das águas residuais – que hoje já está implementado em 25 ETAR geridas por empresas do grupo -, e o aproveitamento da energia hídrica.

Com o mesmo objetivo, adianta o grupo, “será reforçado o investimento em energia solar, estando em curso um estudo sobre o potencial de aproveitamento da exposição solar das suas infraestruturas de norte a sul do país”. Atualmente, o AdP possui mais de 300 centrais fotovoltaicas, o equivalente a uma produção de 3,4GWh, “sendo expectável que possa ser reforçada em cerca de 15 GWh”.

Ainda no âmbito do PEPE, a AdP compromete-se a introduzir na frota do grupo veículos elétricos e a instalação de pontos de carregamento de veículos elétricos, preferencialmente nos locais onde existe produção de energia a partir de fontes renováveis.

“Numa primeira fase, o grupo tem por objetivo a introdução de cerca de 100 viaturas elétricas e instalação de cerca de 50 pontos de carregamento”, acrescenta em comunicado.

A implementação do PEPE envolve cerca de 300 colaboradores das várias empresas do grupo, com uma participação decisiva da área operacional, abrangendo um total de 334 infraestruturas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Águas de Portugal com 18 milhões até 2020 para duplicar renováveis