Hotelaria

Grupo Barceló abre dois novos hotéis em Portugal até 2020

Quartel da Graça, em Lisboa. (Fotografia: D.R.)
Quartel da Graça, em Lisboa. (Fotografia: D.R.)

Barceló aumenta presença na Madeira e revela interesse na concessão do Quartel da Graça, em Lisboa.

O grupo espanhol Barceló prepara-se para investir em novos hotéis em Portugal, onde já detém duas unidades no Funchal e em Lisboa. O plano de expansão pela Europa, Médio Oriente e Bacia do Mediterrâneo soma já 250 milhões de euros até 2020.

De acordo com o jornal especializado Publituris, o grupo vai inaugurar dois novos hotéis, um na Madeira e outro nos Açores. O primeiro a abrir portas, no primeiro trimestre de 2020, deverá ser uma unidade de 111 quartos no centro do Funchal.

Ainda em 2020, o grupo pretende inaugurar o Occidental Ponta Delgada, um hotel com 105 quartos e 13 apartamentos. A unidade hoteleira terá a assinatura da designer Nini Andrade Silva.

Além destes projetos, o grupo não descarta novas oportunidades para investir em Lisboa, no Porto e Algarve. O diretor de desenvolvimento de negócios do Barceló, Jaime Buxó, confirmou ao Publituris que estão a analisar uma eventual manifestação de interesse no Quartel da Graça, em Lisboa.

A conversão deste imóvel público em hotel será feita no âmbito do programa Revive. Também o grupo hoteleiro Vila Galé, que detém 32 hotéis em Portugal e no Brasil, está a ponderar avançar para o concurso do Quartel da Graça.

Recentemente, o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida, disse que “é tudo muito prematuro e vai depender das condições”. “Se o Quartel da Graça e o CCB foram na mesma altura, seria um ou outro”, adiantou num encontro com jornalistas.

Atualmente, o Barceló Hotel Group é proprietário de 106 hotéis distribuídos por 17 países.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Grupo Barceló abre dois novos hotéis em Portugal até 2020