Agroalimentar

Grupo de amigos salva empresa de queijos

Empresa de queijos Lactimercados. Fotografia: Global Imagens
Empresa de queijos Lactimercados. Fotografia: Global Imagens

Um novo investimento fez nascer a Lactimercados. Os produtos têm vindo a acumular prémios.

Depois de duas décadas de vida, no início da crise portuguesa de 2011, a marca “Quinta dos Moinhos Novos” começou a ter problemas e a insolvência tornou-se inevitável. Mas um grupo de amigos com “ligações afetivas” à marca dinamizou a recuperação dos queijos artesanais que já tinham prestígio no mercado, incluiu uma empresa de produtores de leite entre os acionistas e, em 2012, criou a Lactimercados.

“Ganhámos o Prémio dos Melhores Queijos Portugueses em 2014, em 2015 e 2016. Este ano, não devemos ganhar ou os outros começam a reclamar”, brinca José Martinho Santos, administrador da Lactimercados, a empresa de queijos artesanais de Vila Verde, Braga, que inaugurou, há poucos meses, uma unidade industrial de dois milhões de euros.

O renascimento foi, nalguns aspectos, mais difícil do que a criação de uma nova empresa, nota o administrador. “Tivemos momentos complicados, quando o edifício da fábrica, que já estava na mão do banco, foi vendido a terceiros. A fábrica nova estava em construção, a meio ano de estar concluída. Conseguimos negociar com o comprador, investimos em estruturas que eram para demolir, mas conseguimos partilhar o espaço até nos mudarmos, em outubro de 2016”, recorda o engenheiro do petróleo, desafiado para o novo projeto. Pontos em comum com a anterior atividade profissional, sublinha, só as tubagens por onde entra o leite descarregado dos camiões para grandes silos, antes de entrar na pasteurização e, depois, na cozedura.

Das duas dezenas de funcionários da empresa, apenas sete funcionários laboram na produção (alguns provenientes da empresa anterior) e uma nova engenheira alimentar, Benvinda de nome e de facto, que trouxe à empresa o olhar escrupuloso que permite produzir os melhores queijos e o conhecimento que permite inovar, em variedades com pimenta rosa, com cominhos ou ervas, além de outras ainda no segredo dos deuses. “Quando ganhamos prémios, o mérito é da casa; quando há algum problema, a culpa é da engenheira Benvinda”, desafia novamente o administrador. “Não, não é verdade: somos uma equipa e precisamos de todos para termos um produto de excelência”, responde a responsável.

Além do rigoroso cumprimento de todas as regras (quase obsessivas, entre vestuário e calçado, toucas, luvas e máscaras) de higiene e segurança na produção, a nova fábrica permitiu à empresa multiplicar por seis a capacidade de produção, o que pode significar, no limite, a transformação de 130 mil litros de leite em 16 toneladas de queijo por mês. “Em média, um quilograma de queijo de vaca precisa de oito a oito litros e meio de leite. Já no caso do queijo de cabra, só são precisos entre sete e sete quilos e meio de leite, mas como há menor produção o queijo é muito mais dispendioso”, explica Martinho Santos.

A empresa de produtores que também é dona da Lactimercados oferece “uma garantia de estabilidade de preços e de disponibilidade de produção de qualidade” que nem sempre terá sido fácil assegurar no passado. E a produção na fábrica anda ao ritmo da abundância do leite – com dois picos de produção, de setembro a janeiro e na altura da Páscoa.

As vendas têm sido, quase exclusivamente, para a grande distribuição e têm crescido consecutivamente. Dos 550 mil euros de 2015, aumentaram para 700 mil em 2016 e, este ano, a expectativa é de atingirem um milhão de euros (20 a 25%). “Já estamos a exportar, em poucas quantidades, através de parcerias, para Espanha e para os Estados Unidos da América. Mas não é fácil, tratando-se de um produto fresco com muitas exigências para o transporte”, lamenta o administrador. “Ainda temos de expandir o mercado nacional, onde sabemos que o espaço do queijo produzido em massa já está ocupado, mas há cada vez mais consumidores que procuram o artesanal e o saudável, nomeadamente o queijo de cabra”, remata Martinho dos Santos.

Para quem estiver fora das zonas de Braga, Grande Porto e Grande Lisboa, a Lactimercados irá começar a disponibilizar o produto, em breve, através da loja online. Quem estiver perto, pode também adquirir na fábrica a preços competitivos.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Negociações com professores arrancam a 15 de dezembro. Governo lembra que até 2021 todos progridem
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Na função pública 440 mil sobem por notas e 220 mil por tempo

Eurico Brilhante Dias

“No investimento precisamos de dar um salto equivalente ao das exportações”

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Grupo de amigos salva empresa de queijos