Turismo

Grupo Pestana preocupado com impacto de obras do Porto de Setúbal

Porto de Setúbal(Carlos Costa/Global Imagens)
Porto de Setúbal(Carlos Costa/Global Imagens)

O grupo hoteleiro põe em causa estudo de impacto ambiental que valorizou ganhos económicos em detrimento de aspetos ambientais.

O Pestana Hotel Group vem juntar-se às críticas das organizações ambientalistas que temem os efeitos da retirada de areias do estuário do Sado com o projeto de alargamento do canal de acesso ao Porto de Setúbal. A posição é manifestada em comunicado do grupo que põe em causa as prioridades do estudo de impacto ambiental avaliado, com parecer favorável, pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Tudo indica que o estudo de impacto ambiental que sustenta este projeto valoriza mais os aspetos económicos e o interesse industrial, relegando para segundo plano consequências como o depósito de sedimentos frente a zonas balneares onde se inserem diversos complexos turísticos, o desassoreamento das praias, a afetação das colónias de golfinhos e a destruição de fundos e reservas de pesca”.

As obras do Porto de Setúbal, iniciadas este mês, preveem a retirada de mais de mais de seis milhões de metros cúbicos de areia do leito do estuário. A APA, que deu parecer positivo ao estudo de impacto ambiental das dragagens, admitiu que estas vão “criar desequilíbrios na dinâmica natural do delta do estuário do Sado, gerando impactes negativos, diretos e indiretos”.

Ainda assim, justificou a decisão com os ganhos para a economia. “Considerou-se que o fator determinante nesta avaliação é a socioeconomia, e que a geologia e geomorfologia e a hidrodinâmica, a ecologia, os recursos marinhos, o património e e a paisagem são fatores relevantes”, referia a declaração de avaliação de impacto ambiental emitida pela agência.

Consultado no processo, também o Turismo de Portugal não manifestou oposição, considerando que os efeitos positivos da obra vão suplantar os negativos.

Mas o grupo Pestana discorda. E manifesta “profunda preocupação” com as “possíveis consequências ambientais sobre o estuário do Sado e a península de Troia”.

“Não se percebe como um projeto com este impacto ambiental está a avançar, tendo em conta que, até à data, todos os projetos turísticos desenvolvidos na região foram submetidos a rigorosas restrições ambientais, em função da sua inserção ou proximidade com a Reserva Ecológica ou Rede Natura 2000”, afirma no comunicado José Roquette, responsável pelos projetos do grupo.

O responsável do Pestana junta ainda que a estes projetos “foram impostas, e aceites, grandes limitações no que respeita ao impacto nesta região tão sensível; isto apesar de, obviamente, não serem geradores de quaisquer fatores de poluição”.

Diz ser agora “incompreensível, e de enorme irresponsabilidade, que se ponha em risco todo o ecossistema do estuário do Sado e da península de Troia”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Grupo Pestana preocupado com impacto de obras do Porto de Setúbal