transportes

Há 200 mil euros para táxis elétricos e carregadores a partir de sexta

Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens

Governo lança segundo aviso do Fundo para o Serviço Público de Transportes

Os motoristas de táxi vão voltar a ter incentivos para trocar o carro a combustível por um veículo 100% elétrico. O Ministério do Ambiente e da Transição Energética vai lançar, na sexta-feira, o segundo aviso de financiamento para apoiar a compra de táxis elétricos e postos de carregamento, no âmbito dos incentivos à descarbonização e à modernização do setor, através do Fundo para o Serviço Público de Transportes. Esta medida conta com um orçamento total de 200 mil euros.

Logo na compra do carro – assim que for apresentado o comprovativo – será dado um apoio de 5000 euros. A este incentivo poderão ser acrescentados entre 2500 e 7500 euros conforme a idade do carro que for para abate: 2500 euros se o veículo que vai para abate tiver mais de 10 anos; 5000 euros se tiver mais de 15 anos; e 7500 euros se superar os 20 anos.

Este será o segundo aviso para troca de frota de táxi: em 2018, a primeira ‘chamada’ contou com oito adesões, recordou o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, em audição parlamentar na quarta-feira, onde anunciou este apoio. Na altura, esta medida tinha um apoio de 625 000 euros.

O fundo para os transportes também vai apoiar, a 100%, o custo dos postos de carregamento de automóveis, até ao montante de 2 mil euros por posto.

“As candidaturas devem ser submetidas, até dia 31 de julho, através de formulário online disponível no site oficial do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, onde pode ser consultada toda a informação sobre o aviso”, refere a nota de imprensa.

Ainda em abril, será lançado um apoio de 100 mil euros para os motoristas poderem trocar de taxímetros.

Em 2018, o fundo FSPT lançou quatro avisos para a descarbonização do sector do táxi, no valor total de 750 000 euros.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

Luís Castro Henriques .
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Luís Castro Henriques: “Portugal já não é um país de burocratas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Há 200 mil euros para táxis elétricos e carregadores a partir de sexta