Opinião

Haja quem pague!

Hospital Santa Maria

O Tribunal de Contas publicou uma auditoria ao Hospital de Santa Maria. Conforme as boas práticas, procurou fazer um confronto com instituições semelhantes, no caso, o São João, no Porto. Os resultados são demolidores: mais despesa, menos cirurgias, menos consultas, listas de espera mais longas. Um dos atuais responsáveis pelo Santa Maria procurou relativizar: o hospital teria perdido mais de um terço da sua “clientela”, devido à abertura de um novo hospital em Loures, mantendo, contudo, o mesmo quadro de pessoal, o que explicaria os custos mais elevados. Não seria de estranhar! A um soma-se outro. Foi assim que se foi construindo o monstro público: disforme, disfuncional e caro. Haja quem pague!

Na mesma declaração, depois de meter os pés pelas mãos (com uma estrutura mais cara, como explica resultados piores em quase todos os indicadores?), refere um aspeto fundamental: no São João, durante dez anos, houve estabilidade da gestão, o que teria dado tempo a António Ferreira para ir introduzindo sistemas e métodos que se traduziriam em melhorias de desempenho. Algo parecido tinha acontecido em Leixões com Ricardo Fonseca, permitindo transformar aquele porto num dos mais eficientes do país. Mérito de ambos em aproveitar a margem de tempo que lhes foi dada (por tutelas sensatas) para irem colmatando o défice crítico de qualidade na gestão, pública ou privada: não tanto um problema de pessoas ou qualificações mas de organização e de processos, desde o estabelecimento de objetivos ao controlo de gestão, passando pelo desenho de incentivos.

A exceção com a qual se devia ter aprendido. Qual quê! No caso particular das instituições públicas, as equipas de gestão são mal pagas; raras vezes têm estabilidade, mudando consoante a cor partidária ou os humores do ministro. Sem margem para diferenciar os melhores, sujeitam-se, ainda, a ver o orçamento desfigurado por cortes e cativações cegas. Não gerem, não fazem acontecer, limitam-se a reger. Uma crónica de horrores. Cara.

Economista, professor universitário

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Haja quem pague!