Insolvência

Herdade de Rio Frio vai ficar em mãos portuguesas por menos de 36 milhões

Fotografia: Carlos Santos / Global Imagens
Fotografia: Carlos Santos / Global Imagens

A melhor proposta entre as oito entregues no concurso para a venda da Herdade é portuguesa. Oferece um pouco menos do que 36 milhões de euros.

Das oito propostas entregues para a compra da Herdade de Rio Frio, do ex-BPN, a melhor é de um concorrente português, que fez uma oferta ligeiramente abaixo do valor da avaliação da propriedade, de 36 milhões de euros.

O concurso para a venda da propriedade de 3.300 hectares arrancou em novembro de 2018 e o relatório do júri deverá ser entregue em breve.

“A Herdade vai ficar em mãos portuguesas. A melhor oferta fica ligeiramente abaixo do valor de avaliação, de 36 milhões de euros”, disse fonte próxima do processo. “Na próxima semana deverá ser chamado o vencedor do concurso para a assinatura do contrato de promessa e venda”.

A decisão final de venda caberá ao Ministério das Finanças.

Os donos da Herdade, que se situa no concelho de Palmela, são a estatal Parvalorem, gestora dos ativos tóxicos do ex-BPN, e o Millennium bcp. Ficaram com a propriedade na sequência da aprovação dos planos de insolvência de duas sociedades: a Sociedade Agrícola de Rio Frio e a Companhia Agrícola de Rio Frio.

Em causa, estavam créditos num total de 96 milhões de euros. Para gerir a Herdade foi constituída em março de 2018 uma sociedade, a Cold River’s Homestead, detida em 50% pela Parvalorem e em 50% pelo BCP.

A compra da Herdade terá lesado o Estado em 70 milhões de euros, entre perdas de créditos e garantias hipotecárias.

Os planos de insolvência foram decididos pela assembleia de credores no Tribunal de Comércio de Setúbal em novembro 2017. A Parvalorem e o BCP eram os maiores credores.

A Herdade não inclui o Palácio de Rio Frio, que se situa num terreno contíguo e está nas mãos do Novo Banco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Herdade de Rio Frio vai ficar em mãos portuguesas por menos de 36 milhões