Energia

Hidroelétrica da Iberdrola no Brasil começa a funcionar em dezembro

D.R.
D.R.

A hidroelétrica tem potencial para produzir 350 megawatt, podendo gerar energia suficiente para abastecer uma cidade de um milhão de habitantes.

A hidroelétrica de Baixo Iguaçu, localizada no sul do Brasil, que foi construída e será operada por um consórcio liderado por uma subsidiária da empresa espanhola Iberdrola, começa a funcionar em dezembro, foi esta sexta-feira anunciado.

Trata-se de um investimentos de 1,6 mil milhões de reais (360 milhões de euros), na construção desta hidroelétrica no estado Paraná, perto da fronteira do Brasil com Argentina e o Paraguai.

A hidroelétrica do Baixo Iguaçu faz parte de um projeto do Brasil para aumentar a utilização de energias renováveis e, neste caso, “visa promover os recursos hídricos do país”.

José de Anchieta dos Santos, diretor presidente do Baixo Iguaçu, disse à Efe que a nova hidroelétrica tem nove portões e três geradores, que começarão a produzir energia em dezembro, com a entrada em operação da primeira turbina.

A hidroelétrica Baixo Iguaçu tem potencial para produzir 350 megawatt (MW), podendo gerar energia suficiente para abastecer uma cidade de um milhão de habitantes.

O consórcio construtor é formado pela empresa pública de energia Copel (30%) e a Neoenergia (70%), maior empresa privada de eletricidade do Brasil que é controlada pela empresa espanhola Iberdrola.

Anchieta dos Santos explicou que “cerca de 4.000 trabalhadores, 70% da população local”, participaram no projeto durante a construção da hidroelétrica, embora, quando estiver finalizado, “a força de trabalho será composta de 60 pessoas”.

Segundo o executivo, o impacto ambiental do sistema foi rigorosamente avaliado durante todo o processo de construção, devido à sua localização a apenas 700 metros do limite do Parque Nacional do Iguaçu e a 174 quilómetros das Cataratas do Iguaçu.

Para atender aos requisitos de licenciamento, o consórcio lançou 37 programas socioambientais, abrangendo vários aspetos, como a geração de emprego local e a proteção ambiental.

“Procuramos amenizar possíveis impactos na área devido à implementação do projeto”, disse Guilherme Miranda de Siqueira, gerente ambiental da hidroelétrica.

Com a construção do projeto, centenas de famílias que viviam nas proximidades da hidroelétrica tiveram que ser realojadas noutros locais.

O consórcio implementou um programa de reassentamento que envolveu a transferência de 600 famílias, num processo realizado “de acordo com o registo oficial de moradores da região de 2012”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Hidroelétrica da Iberdrola no Brasil começa a funcionar em dezembro