Saúde

Holigen vai produzir canábis medicinal em Sintra e Aljustrel

canabis

Empresa da Austrália vai criar 200 empregos em Portugal e investir 45 milhões de euros nos próximos quatro anos.

A Holigen vai investir 45 milhões de euros em Portugal na produção de canábis medicinal nos próximos quatro anos e espera criar neste período 200 postos de trabalho, disse esta segunda-feira à Lusa o presidente executivo, Pauric Duffy.

“Recebemos a nossa licença de produção este ano e estamos a construir as nossas instalações em Sintra (21.500 metros quadrados) e Aljustrel (7.000.000 metros quadrados). Se todo o processo de licenciamento ocorrer como o previsto, no terceiro trimestre de 2019 estaremos totalmente operacionais em Sintra e, em 2020, em Aljustrel”, afirmou o gestor, em entrevista à Lusa.

A Holigen vai investir “45 milhões de euros em quatro anos” no mercado português, período no qual espera criar “400 postos de trabalho”, acrescentou.

“O processo para produzir canábis medicinal é totalmente realizado em conformidade com as regras GMP [de boas práticas] e é estritamente farmacêutico“, disse Pauric Duffy, salientando que “este processo segue os seguintes passos: cultivo, colheita, secagem, extração de ingredientes farmacêuticos, preparação de produtos de grau farmacêutico, embalagem e comercialização”.

O presidente executivo da Holigen disse que o objetivo é que a produção seja para o mercado português e também para exportação.

“A Holigen tem acesso a mais de 35 países em todo o mundo e possui acordos de distribuição e comércio em diversos países europeus, incluindo a Alemanha, Polónia, Reino Unido e Irlanda, temos a intenção de produzir 500 toneladas de canábis por ano para satisfazer a procura do mercado global, incluindo Portugal”, explicou.

Em termos de exportação, “o nosso foco principal, no momento, é a Europa e a Australásia, mas temos o desejo de ser, no futuro próximo, um fornecedor mundial, pois visamos atingir uma produção que supere em toneladas o atual líder mundial”, salientou.

Relativamente a quando esperam atingir o ‘break-even’ [retorno do investimento], Pauric Duffy disse que tal depende de “diversos fatores” que podem afetar o tempo de implementação dos diferentes estágios do projeto.

“Estamos a trabalhar de perto com todas as partes envolvidas e continuamos muito otimistas de que seremos capazes de alcançar os nosso objetivos dentro do prazo desejado”, afirmou Pauric Duffy.

Questionado sobre os investimentos que vão fazer na área de investigação e desenvolvimento (I&D), o presidente executivo da Holigen disse que se assiste “ao nascimento de uma nova indústria”.

Ou seja, “quase tudo o que estamos a fazer neste momento é I&D. Estamos constantemente a desenvolver novos produtos. Como tal, a I&D tem um papel crucial na estratégia da nossa empresa”, acrescentou o gestor.

“Embora neste ponto embrionário atual a maioria das funções sejam relacionadas com a I&D, espera-se que dentro de um a três anos tenhamos 15 profissionais” focados na área de investigação e desenvolvimento, acrescentou.

Pauric Duffy disse que as duas instalações – em Sintra e Aljustrel – vão “produzir, transformar e desenvolver produtos e ingredientes ativos de canábis de nível farmacêuticos de pesquisa e desenvolvimento”.

Questionado sobre a razão da aposta no mercado português, o presidente executivo da Holigen salientou que Portugal “é um país estratégico” e “desempenha um papel fundamental” no plano de crescimento no continente europeu e na exportação para a Australásia.

“Portugal apresenta as melhores condições para o mercado atual, com mão-de-obra altamente qualificada, clima perfeito e autoridades eficientes e progressistas”, disse.

No primeiro ano de atividade, a empresa espera produzir 30 toneladas.

Os objetivos para os primeiros quatro anos de atividade em Portugal são “criar e produzir produtos suficientes em toda a sua variedade para abastecer o mercado europeu e levar a empresa à sua capacidade produtiva máxima”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Holigen vai produzir canábis medicinal em Sintra e Aljustrel