Telecomunicações

Huawei: Anacom diz que não tem indícios “para ter preocupação”

A Nova Zelândia proibiu a importação de equipamentos 5G da Huawei alegando haver "riscos de segurança significativos".

O regulador português das telecomunicações, a Anacom, não tem indícios “para ter preocupação específica” sobre o fabricante chinês Huawei, nomeadamente no que toca a alegados riscos de segurança em torno de equipamentos para redes móveis de quinta geração (5G), mas está a acompanhar o tema.

O comissário europeu com a pasta da tecnologia, Andrus Ansip, alertou que a União Europeia deve preocupar-se com a Huawei e outras tecnológicas chinesas devido ao risco que colocam à segurança e ao setor tecnológico europeus.

Vários países têm mostrado preocupação de que equipamentos tecnológicos estejam a servir para espiar e que as tecnológicas chinesas estejam a ser obrigadas a cooperar com os serviços secretos da China, no acesso a dados encriptados.

A Nova Zelândia proibiu a importação de equipamentos 5G da Huawei alegando haver “riscos de segurança significativos”.

Em paralelo, uma executiva de topo da Huawei foi detida no Canadá no âmbito de uma investigação a alegada fraude bancária.

A Huawei já negou que os seus equipamentos sejam um risco em termos de segurança.

“Esse é um problema muito sério. Não temos nenhum indício para ter uma preocupação específica”, afirmou João Cadete de Matos, presidente da Anacom-Autoridade Nacional das Comunicações, num encontro com jornalistas.

Tanto a Altice como a Vodafone afirmaram aos media, não ter preocupações com a Huawei.

Portugal tem em curso um plano para a transição para a tecnologia 5G – quinta geração móvel – que permite a oferta de serviços móveis com maiores velocidades. O objetivo é ter a tecnologia a funcionar no país em 2020 mas ainda não está definido se a atribuição de frequências aos operadores será feita por leilão ou concurso ou se poderá haver partilha de rede.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
trabalho emprego comissão europeia

Bruxelas quer criar 5 novos impostos e dar 15 mil milhões de euros a Portugal

Vieira da Silva, ex-ministro do Trabalho e Segurança Social. 
Fotografia: Natacha Cardoso / Global Imagens

Governo deve reforçar apoios sociais e aos jovens e rever o lay-off

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

1356 mortos e 31292 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Huawei: Anacom diz que não tem indícios “para ter preocupação”