Guerra comercial

Huawei antecipa “escalada” de sanções mas está “segura de que sobreviverá”

Huawei
Foto: Tham Yuan Yuan via Pixabay

Grupo Huawei antecipa uma "escalada" de sanções norte-americanas em 2020, mas continua "seguro de que sobreviverá".

O gigante chinês das telecomunicações Huawei, que figura na ‘lista negra’ dos Estados Unidos por questões de segurança, antecipa uma “escalada” de sanções norte-americanas em 2020, mas continua “seguro de que sobreviverá”, indicou esta terça-feira o fundador Ren Zhengfei, em Davos, na Suíça.

“Este ano, os Estados Unidos poderiam intensificar a campanha contra a Huawei, mas não penso que o impacto sobre as nossas atividades seja demasiado importante […]. Para 2020, nós estamos seguros da nossa sobrevivência, mesmo perante novos ataques”, afirmou o responsável perante chefes e líderes políticos reunidos no Fórum Económico Mundial (WEF), que arrancou em Davos.

Em 2019, “de um modo geral, superamos os desafios” levantados pelas pressões americanas, insistiu Ren, considerando que “os Estados Unidos não deveriam estar demasiado preocupados com a Huawei”.

A Huawei está no centro de um braço de ferro entre Pequim e Washington, que teme que o equipamento seja usado para espionagem, acusações fortemente refutadas pelo grupo.

O governo de Trump proibiu nomeadamente as empresas americanas de venderem equipamentos para a Huawei, e Washington está a pressionar os aliados ocidentais para excluírem a empresa chinesa das infraestruturas de 5G, a próxima geração de redes móveis.

A Huawei disse no final de dezembro que prevê uma faturação abaixo do previsto para 2019 e iria fazer da sua “sobrevivência” uma prioridade em 2020.

Questionado sobre os riscos de uma “guerra fria tecnológica” que divida o mundo em dois blocos, Ren Zhengfei garantiu em Davos “não acreditar”, referindo que “a ciência é baseada na verdade, que é única”, pedindo para que as duas potências permaneçam “conectadas”.

“Os Estados Unidos estão preocupados. Eles estavam habituados a ser o número um no mundo e, se [outro país] se tornar melhor, pode ser desconfortável” para eles, observou o ex-engenheiro do Exército de Libertação Popular, que fundou a Huawei em 1987.

Ren Zhengfei falava em Davos apenas algumas horas após o início de uma comparência da sua filha Meng Wanzhou, diretora financeira da Huawei, num tribunal de Vancouver, responsável por determinar se vai ser extraditada para os Estados Unidos.

Meng foi presa pelas autoridades canadianas em dezembro de 2018, a pedido de Washington, que a acusa de ter contornado as sanções americanas contra o Irão e quer julgá-la por fraude.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Huawei antecipa “escalada” de sanções mas está “segura de que sobreviverá”