5G

Huawei critica “pressão transatlântica” e pede à UE decisões “inteligentes”

Foto: Stringer/Reuters
Foto: Stringer/Reuters

A Europa é o maior mercado da Huawei fora da China. De um total de 50 licenças que a empresa detém para o 5G, 28 são para operadoras europeias.

A chinesa Huawei criticou a “pressão vinda do outro lado do Atlântico”, dos Estados Unidos, para a União Europeia (UE) relativamente às redes móveis de quinta geração (5G), afirmando esperar que Bruxelas seja “inteligente o suficiente”.

“Obviamente, há pressão política vinda do outro lado do Oceano Atlântico […], está em todo o lado na Europa e é feita diretamente por líderes políticos de topo dos Estados Unidos”, afirmou hoje o responsável da Huawei para as instituições europeias, Abraham Liu, à margem do Dia Europeu de Inovação da Huawei, em Paris.

Numa altura em que a Huawei está no centro da polémica por alegada espionagem em equipamentos 5G, no seguimento de suspeitas lançadas pelos Estados Unidos sobre a instalação de back doors (portas traseiras de acesso), Abraham Liu disse à Lusa que “a pressão está aí”. A Huawei tem um “historial de 20 anos” de presença na UE e tem demonstrado que “é um parceiro de confiança”, disse.

O responsável disse esperar que a Europa seja “capaz e inteligente o suficiente para tomar as suas decisões”. “Acredito que a Europa deve ter a cibersegurança nas suas próprias mãos, independentemente do que os seus vizinhos sussurram aos seus ouvidos”, insistiu.

Para Abraham Liu, “a cibersegurança é mais uma questão técnica do que um assunto político”, já que “os Estados Unidos, mesmo sem a Huawei, estão a enfrentar sérios riscos”. “E a Europa, com a Huawei, que está presente em 170 países em todo o mundo, tem o melhor historial em termos de cibersegurança”, realçou.

Assumida como uma prioridade europeia desde 2016, a aposta no 5G já motivou também preocupações com a cibersegurança, tendo levado a Comissão Europeia, em março deste ano, a fazer recomendações de atuação aos Estados-membros, permitindo-lhes desde logo excluir empresas ‘arriscadas’ dos seus mercados.

Bruxelas pediu, também nessa altura, que cada país analisasse os riscos nacionais com o 5G, o que aconteceu até junho passado, seguindo-se agora a adoção de medidas comuns para mitigar estas ameaças, isto até final do ano.

Nessa análise feita aos riscos nacionais, os Estados-membros detetaram a possibilidade de ocorrência de casos de espionagem ou de ciberataques vindos, nomeadamente, de países terceiros.

Questionado pela Lusa se espera influência norte-americana nas medidas que serão adotadas pela UE para garantir a cibersegurança nas redes 5G, Abraham Liu notou que só aquando da sua divulgação “se verá”. “Eu acredito em decisões que são favoráveis aos interesses europeus e creio que a Huawei é um parceiro para soluções, não uma parte do problema”, vincou.

O responsável argumentou também que “a Europa tem especialistas e operadoras de topo – como a Vodafone, Orange, Telefónica – e todos têm competências técnicas muito fortes e […] sabem o que estão a fazer”.

A Europa é o maior mercado da Huawei fora da China. De um total de 50 licenças que a empresa detém para o 5G, 28 são para operadoras europeias.

Já questionado sobre a nova Comissão Europeia, que deverá iniciar funções no início de dezembro com uma clara aposta na área digital e da cibersegurança, Abraham Liu adiantou que a Huawei “está ansiosa” por trabalhar com o novo colégio de comissários.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Huawei critica “pressão transatlântica” e pede à UE decisões “inteligentes”