Tecnologia

Huawei “em discussão” com Google para responder às interdições dos EUA

Ren Zhengfei, fundador e CEO da Huawei. Fotografia: REUTERS/Bobby Yip
Ren Zhengfei, fundador e CEO da Huawei. Fotografia: REUTERS/Bobby Yip

A Huawei está em negociações com a Google para tentar encontrar uma solução às restrições impostas pela administração norte-americana, anunciou esta terça-feira o fundador da gigante de telecomunicações chinesa.

“A Google é uma boa empresa e altamente responsável. A Google e a Huawei estão em discussão para tentar encontrar uma resposta”, disse Ren Zhengfei aos jornalistas, num encontro com a imprensa local em Pequim.

Em causa está uma decisão da administração norte-americana, segundo a qual a Google e outras empresas norte-americanas vão deixar de fornecer componentes, produtos e serviços à Huawei.

Na sequência, o gigante norte-americano, cujo sistema Android equipa a grande maioria dos ‘smartphones’ do mundo, anunciou no domingo que teria de cortar o contacto com a Huawei, na sequência da decisão tomada pelo Presidente Donald Trump na passada terça-feira.

Esta decisão ia resultar na incapacidade do grupo chinês em aceder a certos serviços do Android e a aplicações como o Gmail (correio eletrónico) e o Google Maps.

No entanto, o Governo norte-americano pareceu querer acalmar a tensão com os chineses, ao suspender na segunda-feira por três meses o sancionamento da Huawei, que vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa-19/12/2019  - Conferencia de Antonio Mexia ,CEO da EDP. 
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Chinesa CTG vende 1,8% da EDP

(A-gosto.com/Global Imagens).

PSD indisponível para viabilizar alteração à lei para aeroporto do Montijo

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Novo Banco: Estado como acionista só dilui posição do Fundo de Resolução

Huawei “em discussão” com Google para responder às interdições dos EUA