Tech

Huawei. “Liderança é um objetivo, se for antes de 5 anos tanto melhor”

Huawei abre a primeira loja da marca em Portugal

Fotografia: D.R.
Huawei abre a primeira loja da marca em Portugal Fotografia: D.R.

Marca chinesa acaba de abrir a sua "experience store" em Portugal. Huawei é segunda marca de smartphones mais vendida em Portugal.

“A liderança é um objetivo. Se for antes de cinco anos tanto melhor”, afirma Pedro Ferreira, country director da Huawei Portugal.

O ano passado a empresa viu aumentar em cerca de 60% as suas receitas no mercado português e subir de 3 para 9% a sua quota na área de smarthphones e wearables, segundo o responsável da Huawei em Portugal ao Dinheiro Vivo.

Um crescimento da área de consumo que espelha o desempenho global da companhia chinesa. Em janeiro, no CES em Las Vegas, a Huawei anunciou um crescimento de cerca de 70% nas vendas, para mais de 20 mil milhões de dólares, o ano passado. Colocou nas lojas 108 milhões de smartphones nas lojas, uma subida de 44% face ao ano anterior. Presente em mais de 25 mil lojas de retalho, a Huawei vendeu mais de 27,4 milhões de dispositivos. Posicionando a marca chinesa como um sério concorrente à Samsung e Apple neste segmento. De acordo com os dados da GFK, divulgados pela empresa, até setembro a Huawei tinha uma quota global de 9,7%. A terceira marca a nível mundial, depois da Apple (11,6%) e da Samsung (24,3%).

Abertura de loja não muda estratégia da empresa junto dos operadores

Portugal, diz Pedro Ferreira, não foge muito desse cenário. “Em volume de vendas somos a segunda marca até ao final do ano. Somos a terceira ao nível de receitas”, diz.

Apple há muito que tem lojas próprias (através de representantes exclusivos) e em abril do ano passado a Samsung adicionou à loja do Colombo quatro espaços (Almada, Cascais, Coimbra e Faro) reforçando a sua presença no mercado português.

A empresa chinesa acaba de abrir a sua primeira loja de marca. A opção recaiu no Centro Colombo, um espaço em parceria com a Phone House, uma aposta cujo investimento a empresa não adiantou.

 

sdr

“A Phone House já era o nosso parceiro e achamos que era o ideal para abrir a nossa experience store”, adianta Pedro Ferreira. A gestão operacional da loja fica com a Phone House, tendo a formação nos equipamentos dos cerca de 8 colaboradores (em regime de rotação) sido assegurada pela Huawei. Smarthphones e wearables (como o smartwatch) são alguns dos equipamentos da marca disponibilizados.

“Na Huawei não há planos de abrir novas lojas”, diz, quando questionado sobre eventuais planos de expansão da rede de lojas. “A nossa estratégia não muda em nada. Vamos continuar a reforçar as nossas parcerias com os operadores”, assegura Pedro Ferreira.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Salário mínimo português é o nono mais baixo da Europa em poder de compra

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.  (EPA/RONALD WITTEK)

Compras do BCE chegam ao fim. Portugal ficou no fundo da lista

casas de lisboa

Moody’s. Há risco de irrealismo no preço das casas em Lisboa e Porto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Huawei. “Liderança é um objetivo, se for antes de 5 anos tanto melhor”