IBM InterConnect

IBM lança assistente cognitivo para gerir segurança de dispositivos

Watson

Empresa está a treinar o supercomputador Watson em cibersegurança e aplicou capacidades cognitivas a um gestor de dispositivos unificado, MaaS360 Advisor.

Enquanto os investimentos mais mediáticos em inteligência artificial estão virados para o consumidor, a IBM quer afirmar-se nas ferramentas para o ambiente corporativo. O supercomputador Watson vai agora ser aplicado à gestão de segurança de dispositivos, uma dor de cabeça para os responsáveis de informática das empresas – numa altura em que entram cada vez mais variáveis no cenário de segurança empresarial.

“O diretor de tecnologia precisa de respostas no momento”, afirmou Marc van Zadelhoff, general manager diretor geral da divisão IBM Security, no evento InterConnect que decorre esta semana em Las Vegas. “50% dos incidentes de segurança são causados por pessoas dentro do perímetro”, adiantou. O responsável deixou um aviso sério: todas as tecnologias de que a própria IBM está a falar neste evento, desde a nuvem à Internet das Coisas, são boas notícias para os piratas. “Do ponto de vista dos hackers, estes são mais serviços para atacar.”

É neste contexto que a empresa está a lançar um assistente cognitivo para gerir todos os terminais nas redes empresariais, desde smartphones e tablets a dispositivos da Internet das Coisas. Chama-se MaaS360 Advisor e vai usar as capacidades do Watson para analisar dispositivos e recomendar políticas, correções e melhores práticas para a sua gestão.

A IBM refere que 49% dos colaboradores utiliza pelo menos três dispositivos para trabalhar e isso dificulta a vida dos responsáveis de segurança, que têm de garantir a conformidade e inviolabilidade dos terminais. Este novo assistente cognitivo, que é uma plataforma de gestão unificada, será disponibilizado através da IBM Cloud.

“No ano passado, 4 mil milhões de dados foram comprometidos. Ninguém está imune”, sublinhou van Zadelhoff. A IBM tem treinado o Watson em cibersegurança e trabalhou com oito universidades nesta área, dotando o supercomputador de milhares de milhões de elementos para melhorar as suas capacidades. Alguns dos conceitos em aprendizagem pelo supercomputador são gestão de identidade, conformidade regulatória e entrada de novos dispositivos.

O assistente cognitivo vai correlacionar várias fontes de dados e dar sugestões às equipas de TI especificamente sobre os seus ambientes. Os responsáveis pela gestão de dispositivos IoT poderão, por exemplo, definir políticas sobre quais os dados a que estes podem aceder dentro da empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Neves, CEO da Farfetch. Fotografia:  REUTERS/Toby Melville

Farfetch pede para ser cotada em Bolsa

Pedro Queiroz Pereira

Queiroz Pereira: Cerimónias fúnebres começam amanhã

LEONARDO NEGRAO /Global Imagens

Grupo português investe 80 milhões na compra da Toys “R” Us Iberia

Outros conteúdos GMG
IBM lança assistente cognitivo para gerir segurança de dispositivos