Empresas

IKEA vai fechar a sua única fábrica nos Estados Unidos da América

Fotografia: REUTERS/Olivier Pon
Fotografia: REUTERS/Olivier Pon

Inaugurada em 2008, a fábrica de Danville emprega cerca de 300 pessoa.

A IKEA anunciou hoje que pretende fechar a sua única fábrica nos Estados Unidos da América, localizada em Danville, Virgínia, justificando a decisão com os elevados custos das matérias-primas. O encerramento da unidade está previsto para dezembro, sendo a sua produção transferida para a Europa, segundo anunciou o grupo sueco em comunicado.

Inaugurada em 2008, a fábrica de Danville emprega cerca de 300 pessoas e produz prateleiras e armários, vendidos nos Estados Unidos e Canadá. Em comunicado, a IKEA refere que “a estrutura de custos de produção em Danville é muito elevada, particularmente no que diz respeito às matérias-primas, resultando em preços significativamente mais elevados do que em outras fábricas na Europa que produzem produtos semelhantes”. Neste contexto, e “depois de uma análise aprofundada, foi decidido que não estão reunidas as condições para continuar a produzir em Danville”, refere a IKEA.

Sublinhando que se tratou de uma “decisão muito difícil”, o responsável da fábrica, Bert Eades acrescentou que foram feitos “todos os possíveis para melhorar e manter a competitividade desta fábrica mas, infelizmente, as condições dos custos não são as ideais para continuar a produzir em Danville a longo prazo”. O mesmo responsável adiantou que a empresa fará tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar os funcionários afetados a encontrar um novo emprego ou a fazer formação.

O anúncio do encerramento desta fábrica localizada num dos estados mais relevantes para a próxima eleição presidencial poderá entrar no radar de Donald Trump, que já tem pressionado grupos empresariais a desistirem de encerrar produções nos EUA. A IKEA tem 963 fornecedores de móveis e decoração para a casa em 51 países, em todo o mundo, segundo a página na internet da empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(PAULO CUNHA/LUSA)

Costa espera ser primeiro-ministro 12 anos e dar início à regionalização

O novo primeiro-ministro, António Costa. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

OE2020: Costa anuncia reforço de incentivos ao arrendamento acessível

Alexandra Leitão, ministra da Administração Pública. Fotografia: António Pedro Santos/Lusa

Funcionários mais antigos podem perder dias de férias com baixas prolongadas

Outros conteúdos GMG
IKEA vai fechar a sua única fábrica nos Estados Unidos da América