Imobiliário

Imobiliária de Warren Buffett entra em Portugal para liderar no segmento de luxo

Warren Buffet é um dos homens mais ricos do mundo. Em 2018, só a sua rede da imobiliária registou um volume de vendas de mais de 113 mil milhões de euros. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque
Warren Buffet é um dos homens mais ricos do mundo. Em 2018, só a sua rede da imobiliária registou um volume de vendas de mais de 113 mil milhões de euros. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

A Berkshire Hathaway HomeServices, que vendeu mais de 113 mil milhões de euros a nível mundial em 2018, estreia-se na sexta-feira no mercado nacional, através de um parceiro local, a Portugal Property.

Um tubarão acaba de chegar ao mercado imobiliário português. “Somos mais um elefante”, precisou Claudio Prattico, diretor-geral da imobiliária do investidor e guru das bolsas Warren Buffett. A Berkshire Hathaway HomeServices entra no mercado nacional através da Portugal Property, a maior corretora imobiliária independente do país. A agência imobiliária vai passar a operar com a marca Berkshire Hathaway HomeServices Portugal Property. “Portugal pode tornar-se um mercado muito importante para nós. Não vai ser um mercado pequeno”, adiantou Prattico, em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo. “A nossa meta é sermos a empresa predominante do mercado”, sublinhou.

A entrada em Portugal, tal como noutros países, é feita através da escolha de um parceiro local que passa a integrar a rede da Berkshire Hathaway HomeServices, recebendo apoio, incluindo financeiro. O objetivo é operar nos segmentos de gama média alta e alta do mercado e “crescer através de aquisições”, que serão feitas pela Berkshire Hathaway HomeServices Portugal Property. “O que fazemos é dar apoio às empresas locais para crescerem”, adiantou Claudio Prattico. A Berkshire investe, faz “uma contribuição em capital para as empresas locais” e presta apoio, seja de marketing, tecnologia, formação, liderança e fornecendo a marca.

Prattico deixa a garantia de que a aposta em Portugal será duradoura. “Os contratos que fazemos (com os parceiros locais) são de dez a 20 anos, mas a parceria que queremos fazer é idealmente para sempre”, afirmou. “Estamos em Portugal para ficar no longo prazo. Os valores do grupo são a confiança, longevidade e estabilidade. É o nosso ADN”, garantiu. E admite que é possível que outras empresas de Warren Buffett venham para território nacional.

A entrada em Portugal insere-se na estratégia da empresa de ter uma “presença em todos os lugares e cidades mais importantes do mundo”. “Temos 50.000 agentes em todo o mundo. Somos uma empresa global, muito grande e muito forte. Mas o negócio imobiliário é muito local. A nossa estratégia é sempre ter um parceiro local”, frisou. Em 2018, a rede da imobiliária de Warren Buffett registou um volume de vendas de mais de 113 mil milhões de euros.

Não há bolha no mercado português

A entrada da empresa em Portugal segue-se ao anúncio da sua chegada ao mercado espanhol, através da Larvia, do Grupo Petrus. Desde setembro de 2018 que Claudio Prattico tem vindo a preparar a estreia da empresa no mercado português, que vê como muito atrativo para grandes investidores internacionais. Para já, o foco estará no Algarve, em Lisboa e no Porto, onde a Portugal Property opera. Mas o objetivo é alargar a atividade a outras áreas do país, incluindo a zona da Comporta, e às regiões autónomas dos Açores e da Madeira. A empresa vai concentrar-se mais no segmento residencial, com 20% do negócio a ser dedicado ao segmento de escritórios.

“Temos muitos investidores a pedirem-nos para estarmos em Portugal, porque querem comprar cá uma casa. Portugal é uma ótima opção, seja para ter uma segunda casa ou mesmo para passar a viver aqui”, adiantou Prattico.

“Portugal é um país maravilhoso, com uma cultura espetacular, as pessoas são muito especiais. Há muitos investidores que querem vir para cá. Está a seis horas de distância de Nova Iorque. Ter uma casa aqui é como ter uma casa em Los Angeles, mas estar na Europa”, disse. Os incentivos fiscais e o facto de ser um país seguro também contribuem para tornar o mercado imobiliário português atrativo, explicou.

Apesar da dimensão e do peso da marca, Prattico diz que não é caso para as imobiliárias em Portugal terem medo da empresa. “Somos os melhores, mas ninguém deve ter medo de nós. Vamos aumentar o nível do mercado em Portugal, em termos de qualidade de serviço e de abrir as portas a estrangeiros para se sentirem confortáveis para investir aqui”, afirmou.

E afastou a ideia de que o mercado está a viver uma bolha. “Sobre os preços [das casas], quando se compara com outros países no mundo, ainda são muito bons”, assegurou. “Está a haver um renascimento do mercado imobiliário português, que está aqui para ficar. É uma grande oportunidade para nós”, acredita o diretor-geral da Berkshire Hathaway HomeServices.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Imobiliária de Warren Buffett entra em Portugal para liderar no segmento de luxo