Vanguard investe 25 milhões para produzir casas sustentáveis

Promotora imobiliária adquiriu capital na Black Oak Company para passar a produzir casas de madeira sustentáveis.

Mariana Coelho Dias
Casas KÕZÕWOOD utilizam materiais naturais, renováveis e recicláveis © Direitos Reservados

A Vanguard Properties anunciou que passou a deter o controlo da Black Oak Company, após ter fechado um acordo de entrada no capital da empresa de construção em madeira por 25 milhões de euros.

Segundo o comunicado emitido pela promotora imobiliária, os planos a aplicar passarão por dobrar a área da fábrica da Black Oak Company em Esposende para 20 mil metros quadrados e elevar a sua capacidade de produção anual para 200 estruturas de casas de madeira e mil de CLT (madeira laminada cruzada) e customizáveis. Outra mudança prevista para os meses que se seguem relaciona-se com o número de colaboradores da unidade industrial, que passará de 40 para 100, criando assim 60 novos postos de trabalho.

Como parte da "estratégia de rebranding alinhada com o posicionamento nos mercados internacionais", a Black Oak Company passará a operar no mercado com a marca KŌZŌWOOD.

"Perante os atuais desafios que enfrentamos, só faz sentido olharmos para os nossos projetos numa perspetiva de futuro sustentável. Por outro lado, a aposta neste método construtivo vai contribuir para o grande objetivo de sustentabilidade dos projetos Terras da Comporta e Muda Reserve, que passa por garantir que todos os edifícios construídos sejam neutros em emissões de carbono (Net Zero Carbon Buildings)", observa José Cardoso Botelho, CEO da Vanguard Properties, citado em comunicado. Segundo o dirigente, esta nova aposta irá permitir à promotora manter-se "na vanguarda do setor".

A promotora segmentada para empreendimentos de luxo diz já ter prevista a produção de mil casas sustentáveis para os projetos Terras da Comporta e Muda Reserve, cujo início de produção aponta para o quarto trimestre deste ano.

O método construtivo utilizado pela KŌZŌWOOD permitirá "fixar os colaboradores da unidade industrial na região de Esposende, evitando deslocações desnecessárias, promovendo o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, e também reduz a poluição atmosférica, visual e ambiental", refere a Vanguard. Quanto às casas de estrutura em madeira, a empresa diz garantirem "maior proteção da paisagem natural por serem 85% mais leves do que edifícios em betão e são, assim, menos exigentes ao nível das estruturas de suporte".

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG