Já há imobiliárias a nascer apenas na vertente digital

A internet tornou-se um canal privilegiado de compra e venda de casas. Há agências que já estão preparadas para que todo o negócio decorra de forma eletrónica.

A compra de uma casa parece indissociável de uma visita presencial. É comum o potencial comprador querer ver in loco o espaço, a luz, o estado do imóvel, sentir que pode, e gostaria, de habitar entre aquelas quatro paredes. Mas mesmo que essa realidade pareça indiscutível, a tecnologia veio revolucionar o negócio imobiliário e a pandemia só acelerou um motor que alguns visionários puseram em marcha há mais de uma década.

O grupo francês iad, há seis anos a operar em Portugal, apostou, em 2008, em plena crise internacional, num modelo de negócio assente nos canais digitais. Os fundadores "anteciparam que o processo de compra e venda de casa iria progressivamente passar da agência para a internet, o que veio a comprovar-se", diz Alfredo Valente, CEO da iad Portugal.

Mesmo no final do ano passado, chegou a vez do grupo norte-americano eXp investir no mercado português. O modelo de negócio, criado há 10 anos, é 100% digital. Como descreve Guilherme Grossman, managing broker da eXp Portugal, não há escritórios físicos, os imóveis - assim que aprovados - são divulgados no site da empresa, assim como em portais nacionais e internacionais. Os agentes imobiliários podem ainda promover a carteira nas redes sociais, lançar campanhas digitais e utilizar a sua network. Os potenciais compradores têm ao seu dispor um portfólio de imóveis de fácil e rápido acesso, podem realizar visitas virtuais, inclusive visionar a casa em 3D, e celebrar o contrato de promessa compra e venda e, também, a escritura online.

A confiança neste modelo de negócio levou a Insight Partners, uma das líderes mundiais em investimento tecnológico (no seu portefólio constam sucessos como o Twitter ou Docusing) a injetar, já neste ano, 300 milhões de euros no grupo iad e tornar-se assim acionista minoritário.

O negócio da rede imobiliária de origem francesa, que marca presença em cinco geografias europeias, assenta em duas vertentes: as ferramentas digitais que coloca ao dispor dos consultores e a tecnologia de difusão dos anúncios. As angariações de imóveis são colocadas na plataforma interna da empresa, daí são exportadas para o site da iad e, no prazo de 24 a 48 horas, estão visíveis em mais de 200 portais de anúncios imobiliários, nacionais e estrangeiros. "É nestes portais que nasce a maioria dos negócios imobiliários, já que é neles que o cliente investe mais tempo em pesquisas" e, por isso, é aí que "concentramos a maior parte dos nossos investimentos de captação de tráfego", adianta Alfredo Valente.

Há muito que estas redes imobiliárias digitais estavam preparadas para o confinamento da economia, mas aparentemente também os consumidores. Há pouco tempo, a tradicional agência imobiliária Engel & Völkers, especializada em propriedades de luxo, revelou que "os clientes estrangeiros que investem no Algarve têm fechado negócios em metade do tempo em relação ao período pré-pandemia, concretizando a operação com recurso apenas a visitas virtuais".

Confiança é palavra chave

Alfredo Valente não tem dúvidas que "é no espaço web que se concretiza todo o potencial do nosso modelo, o negócio nasce digital, mas é fisicamente que se materializa". Os anúncios são divulgados na net, o cliente e o agente cruzam pedidos de esclarecimento e informações em canais digitais, há que criar confiança - mas depois, salvo raras exceções, há sempre o contacto presencial, a visita física ao imóvel. "O negócio é concretizado cara a cara, no terreno", diz. No entanto, reclama o CEO da iad Portugal, é necessário agilizar a transição digital, pois "é inconcebível que nos deparemos com tantos entraves legislativos à adoção de procedimentos tecnológicos".

Guilherme Grossman admite que haverá sempre visitas físicas aos imóveis e mesmo reuniões entre comprador e consultor, que são importantes para a tomada de decisão. Mas, frisa, a confiança é a base, "desde que se estabeleça essa relação, não há motivo para que os negócios digitais não corram bem". Por isso, na eXp, estão "preparados para funcionar de forma totalmente online".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de