Indústria Têxtil Vestuário

Inditex, dono da Zara e Maximo Dutti, produz em Portugal 20% do que vende

Pablo Isla, presidente da Inditex
Pablo Isla, presidente da Inditex

As empresas portuguesas do setor têxtil são responsáveis pelo fabrico de 20% dos produtos que o grupo espanhol Inditex, dono da Zara e Maximo Dutti.

As empresas portuguesas do setor têxtil são responsáveis pelo fabrico de 20% dos produtos que o grupo espanhol Inditex, dono da Zara e Maximo Dutti e líder mundial de comércio de roupa a retalho vende em todo o mundo.

“Portugal representa, em termos de compras de produto, praticamente 20% das compras totais” da Inditex, revelou hoje o presidente da empresa, Pablo Isla, durante a apresentação dos resultados anuais do grupo.

Segundo informação enviada hoje pela empresa galega à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola), no exercício fiscal de 01 de fevereiro de 2017 até 31 de janeiro de 2018, as vendas aumentaram 8,7%, para 25.336 milhões de euros e o grupo tinha 7.475 lojas em todo o mundo.

“Na nossa perspetiva, Portugal tem e vai continuar a ter um papel chave entre os mercados mais relevantes de todo o nosso abastecimento”, sublinhou Pablo Isla.

Depois de anos a comprar e fabricar principalmente na Ásia, a Inditex adquire agora 60% dos produtos que vende em todo o mundo naquilo que chama “mercados de proximidade”: Espanha, Portugal, Marrocos e Turquia.

Segundo fonte da empresa, por razões “estratégicas”, e para não desvendar qual a sua margem comercial, a empresa não revela o valor das compras feitas em cada mercado.

“Esta produção de proximidade é uma das grandes chaves do sucesso da nossa empresa e claro que vai continuar a ser nos próximos anos”, realçou o presidente da Inditex.

Pablo Isla explicou que a “produção de proximidade” permite, por exemplo, à empresa ter uma “capacidade de reagir” e poder oferecer outros produtos em todo o mundo ainda durante uma campanha em curso.

Isso dá-nos “a possibilidade de estar a meio de março e poder ainda tomar decisões, que são significativas, para a campanha primavera/verão” que já começou, disse Pablo Isla.

A Inditex anunciou hoje lucros de 3.368 milhões de euros no exercício anual terminado em janeiro, mais 6,7% do que em 2016.

A empresa sublinhou que as vendas ‘online’ aumentaram 41% e são agora responsáveis por 10% das vendas totais do grupo em 2017.

“Cada vez é mais importante a venda online” e fazemos isso “com um enfoque integrado com as lojas físicas”, disse Pablo Isla.

Os resultados operacionais (EBIT) cresceram para 4.314 milhões de euros, um aumento de 7% (+12% a taxa de câmbio constante), e a margem bruta foi de 14.260 milhões de euros, 7% superior ao exercício anterior, o que representa 56,3% das vendas.

As vendas comparáveis (lojas existentes nos dois últimos exercícios) aumentaram 5% no exercício que terminou a 31 de janeiro último, quando no anterior tinham subido 10%.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) foi de 5.277 milhões de euros, um aumento de 4% em relação a 2016 (+8% a taxa de câmbio constante).

Em Portugal, o grupo Inditex tinha no final do ano passado 342 lojas com as marcas de Zara (70), Zara Kids (16), Pull&Bear (51), Massimo Dutti(42), Bershka (49), Stradivarius (44), Oysho (36), Zara Home (28) e Uterque (6).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
dbrs-1060x594

DBRS mantém rating de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

O primeiro-ministro, António Costa, intervém durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do programa PARES 3.0, no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa, 19 de agosto de 2020. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

“Na próxima semana podemos chegar aos 1000 casos por dia”, avisa Costa

App Stayaway covid

App Stayaway Covid perto do milhão de downloads. 46 infetados enviaram alertas

Inditex, dono da Zara e Maximo Dutti, produz em Portugal 20% do que vende