Inovação

Industria portuguesa apoia a montagem e teste de foguetões

Ariane, este foguete já atingiu uma sequência de 60 lançamentos concluídos com sucesso, feito raro no panorama mundial. Fotografia: D.R.
Ariane, este foguete já atingiu uma sequência de 60 lançamentos concluídos com sucesso, feito raro no panorama mundial. Fotografia: D.R.

ISQ fechou um novo contrato no valor de 3 milhões de euros com o centro aeroespacial da Guiana Francesa

O Grupo ISQ fechou um novo contrato para a prestação de serviços de apoio às atividades de Operação e de Montagem, Integração e Teste de Foguetões no Porto Espacial Europeu de Kourou, o CSG – Centre Spatial Guyanais, na Guinana Francesa.

“Este contrato vai permitir que o ISQ continue presente no CSG, de forma permanente, até 2022 e representa uma faturação superior a 3 milhões de euros. O ISQ é a única entidade portuguesa presente, em permanência, no Spaceport de Kourou, desde 2004, o que mostra a excelência da engenharia e da industria portuguesa”, refere o Presidente do ISQ, Pedro Matias.

“A presença do ISQ no Setor da Aeronáutica e Aeroespacial é o resultado de um trabalho de vários anos, de uma equipa diversificada e qualificada em áreas de elevada complexidade tecnológica e organizacional, que permitiu ao ISQ granjear nome e sucesso no sector, dentro e fora do país”, diz o presidente do ISQ. Ou seja, a engenharia portuguesa é uma referência no Centro Espacial Europeu onde são lançados os foguetões de três sistemas de lançamento: o Ariane 5, o Soyuz e o Vega.

Paulo Chaves, engenheiro do ISQ que acompanha o cluster de aeronáutica e aeroespacial, salienta que, “as atividades no âmbito do setor da aeronáutica e espaço começaram no início do século e têm crescido de forma sustentada. Desde 2015 até à data, o grupo português participou num conjunto de projetos internacionais que contaram, e ainda contam, com o envolvimento do ISQ”.

O Centre Spatial Guyanais, na Guinana Francesa, tem uma cota, do mercado mundial de satélites geoestacionários civis, superior a 50%, o que significa que “mais de metade dos satélites geostacionários colocados em orbita nos últimos anos tiveram o acompanhamento de engenheiros do ISQ”. Estes satélites orbitais destinam-se a assegurar serviços que vão desde as telecomunicações, internet e observação da terra.

Uma das componentes mais sensíveis desta atividade, ao nível da segurança, é o controlo e gestão de atividades de risco como é o caso do manuseamento de matérias perigosas, em especial as hidrazinas: o combustível utilizado para a propulsão dos satélites.

Atualmente são realizados 12 lançamentos de foguetes por ano, o que corresponde a cerca de um lançamento por mês.

Em paralelo, o ISQ participa em múltiplos trabalhos para as diferentes vertentes deste setor, sejam eles a produção industrial aeronáutica; o transporte aéreo; a manutenção e reparação de aeronaves; a exploração e construção de aeroportos; o transporte espacial, no fundo, o desenvolvimento de tecnologia para quase todos estes subsetores. Quanto aos clientes, uma parte significativa ou é estrangeira ou está incorporada em cadeias de fornecimento internacionais.

O ISQ é uma entidade privada, independente, com sede em Portugal e que oferece aos seus clientes um vasto conjunto de serviços de Engenharia, Consultoria Técnica, Inspeções Técnicas, Ensaios e Testes e desenvolve também atividades de I&D.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Industria portuguesa apoia a montagem e teste de foguetões