Comércio eletrónico

Insania investe no mercado espanhol

José Veiga é o fundador e CEO da Insania, site de comércio eletrónico
José Veiga é o fundador e CEO da Insania, site de comércio eletrónico

Site de comércio eletrónico de gadgets vai abrir, em 2019, uma loja em Madrid

Oito anos após a sua criação, a Insania, marca portuguesa de comércio eletrónico de gadgets, está apostada na internacionalização. Espanha será o primeiro mercado, a com a abertura de uma loja e armazém, até ao final do verão do próximo ano, em Madrid. Seguir-se-ão outras regiões espanholas, “eventualmente com recurso ao franchising ou a outro tipo de parceria local”, diz José Veiga, CEO da Insania, que admite investir dois milhões de euros no país vizinho nos próximos dois anos, esperando uma faturação, logo no primeiro ano, de 500 mil euros. Este ano, e só com o mercado nacional, a marca espera atingir vendas de 1,5 milhões de euros.

Licenciado em engenharia informática pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, José Veiga assume-se “um apaixonado” pela programação e por gadgets. E foi da junção destas duas paixões que nasceu, “quase por brincadeira”, o portal de venda online deste tipo de produtos, em 2010, numa altura em que “os gadgets não estavam tanto na moda e eram difíceis de encontrar”, explica o empresário. Hoje, a Insania tem 13 trabalhadores a tempo inteiro, que processam, em média, cerca de 400 encomendas diárias de entre os mais de 2.300 artigos que tem à venda. O site regista mais de 100 mil acessos por mês. As vendas têm crescido a um ritmo de 18% ao ano, nos últimos quatro anos, e atingiram os 1,2 milhões de euros em 2017.

Este ano, as expectativas apontam para um crescimento de 30%, fruto dos investimentos realizados na omnicanalidade, com a abertura de duas lojas físicas, no Porto e em Lisboa. “Sempre tivemos pontos de entrega de encomendas, porque há clientes que preferem levantá-las, do que recebê-las em casa. E o que fizemos foi reconverter os armazéns que já tínhamos em lojas para atendimento ao cliente”, explica José Veiga.

O investimento, da ordem dos dois milhões de euros, permitiu a criação de quatro novos postos de trabalho, que serão reforçados para o Natal. A verdade é que, de outubro a dezembro, a Insania vende tanto quanto nos restantes nove meses do ano. José Veiga espera obter o retorno deste investimento no espaço de três a quatro anos.

Quanto a Espanha, foi já desenvolvido um site específico para a abordagem ao mercado e que está em fase de afinação. “O grande boost no mercado espanhol acontecerá em 2019, com a abertura de uma loja em Madrid. Precisamos de estar próximos do cliente e de assegurar uma entrega rápida. Estamos já à procura de um espaço”, adianta. O investimento na Insania tem sido financiado sempre por fundos próprios, e é assim que a empresa pretende continuar mesmo na expansão internacional. “Foi com um helicóptero telecomandado, daqueles que voam dentro de casa, que o negócio arrancou. Eu era fã e comprei uma caixa desses helicópteros e foi com o resultado da venda dos mesmos que fui ganhando dinheiro para reinvestar na compra de mais produtos. E isso permitiu que o negócio se fosse constituindo por si próprio e distinguindo da concorrência, porque tudo o que temos para venda está em stock para entrega imediata. Salvo alguma rutura de stock momentânea. E esse é o nosso ADN”, refere José Veiga.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas

Cristina Casalinho, presidente do IGCP

Portugal paga menos de 2% na última emissão de dívida do ano

Terminal (Naviport) do Porto de Setúbal com milhares de carros da Autoeuropa que estão bloqueados esta semana com a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal.
(A-gosto.com/Global Imagens).

Autoeuropa tem 5000 carros parados no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
Insania investe no mercado espanhol