Prémio Inovação NOS

Internet de qualidade nos transportes

A carregar player...

Tecnologia que permite aos clientes ter acesso de qualidade à internet e às empresas obter dados para tornar os serviços mais eficientes.

Imagine circular num comboio monitorizado em tempo real sem ter problemas de acesso à internet sem fios. E que esses veículos estão integrados numa rede de transportes conectados entre si para recolher informações que ajudam a tornar os serviços mais eficientes. Imagine uma cidade com sensores conectados que lhe dão informação útil para ajudar, por exemplo, a estacionar o carro.

Isto é apenas um pequeno exemplo do que permite a plataforma rádio de comunicações Wavesys, criada pela Wavecom, uma empresa de engenharia de comunicações fundada no ano 2000, com larga experiência em sistemas e aplicações wireless e IP chave-na-mão, integradas e ajustadas às necessidades de cada cliente. A partir de Aveiro, onde tem a sua sede, têm vindo a ser criados novos produtos que já estão a chegar ao mercado e têm múltiplas funcionalidades.

A Wavesys surgiu em 2013, após cinco anos de trabalho de investigação. O produto, 100% português, começou a ser desenvolvido por uma equipa de apenas duas pessoas, que entretanto foi alargada e agora contempla dezena e meia de técnicos especializados. Beneficiou de apoios nacionais e europeus destinados ao desenvolvimento de novas tecnologias.

Nuno Marques, CEO da Wavecom, diz que a plataforma “permite ter até quatro interfaces rádio e disponibiliza várias tecnologias diferentes, como 3G, 4G, wi-fi, TDT e outras”.

Por ser modelar, tem várias funcionalidades. Atualmente já está a ser aplicada na área dos transportes. “Esta plataforma permite disponibilizar wi-fi em autocarros, comboios, carros e outros veículos. A grande diferença em relação ao que já existe no mercado é que este wi-fi tem melhor qualidade porque a plataforma permite ligar-se a vários operadores de comunicações em paralelo, o que faculta ao utilizador uma melhor experiência”, explica Nuno Marques. A tecnologia está a ser colocada nos comboios da CP, nomeadamente nos Alfa e Intercidades, e na Carris, em Lisboa.

Entre as várias aplicações que pode ter, a que atualmente se afigura como “mais promissora” é a possibilidade de “conectar sensores que estão espalhados em cidades ou instituições e que precisam de transmitir, de forma segura e fiável, os dados que vão recolhendo. Cada vez mais há dados a serem recolhidos por sensores e máquinas espalhados por todo o mundo que têm de ser inseridos em bases de dados e tratados para retirar informação e melhorar, por exemplo, a vida nas cidades”, avança o responsável. Tornar o estacionamento nas cidades inteligente, evitando o caos, é apenas uma das muitas aplicações que Nuno Marques imagina.

Para continuar a desenvolver as potencialidades da plataforma, a Wavecom está a auscultar startups, incubadoras e universidades no sentido de criar um cluster que “permita o desenvolvimento de aplicações que usem a plataforma”. Nuno Marques acredita que será possível “acelerar a adoção desta tecnologia de forma massificada e, com isto, dar a usufruir todos os benefícios que a tecnologia promete”.

A intenção da empresa é que a tecnologia, que tem vindo a ser testada em Portugal, possa ser exportada. “Já começámos a olhar para o estrangeiro, nomeadamente para Espanha”, afiança Nuno Marques. Depois, pretendem avançar para outros países da Europa e para os Estados Unidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Internet de qualidade nos transportes