Internet

UE quer controlar internet: Marinho e Pinto vs. Insónias em Carvão

O autor de As Minhas Insónias em Carvão fez uma montagem usando um quadro do pintor belga Rubens do eurodeputado Marinho e Pinto, com o título: São Marinho, padroeiro dos cibernautas.
O autor de As Minhas Insónias em Carvão fez uma montagem usando um quadro do pintor belga Rubens do eurodeputado Marinho e Pinto, com o título: São Marinho, padroeiro dos cibernautas.

Falámos com Marinho e Pinto, que se prepara para aprovar diretiva que vai trazer maior controlo na internet e com o autor de Insónias em Carvão

A nova diretiva do Parlamento Europeu sobre os direitos de autor no Mercado Único Europeu está a gerar uma polémica que, a julgar pelas acusações de que tem sido alvo, pode mudar a forma como usamos a internet. O eurodeputado português Marinho e Pinto faz parte do Comité de Assuntos Legais, que vota esta quarta-feira, 20 de junho, sobre o avanço ou recuo da diretiva sobre a qual pode ler mais aqui. O seu voto pode ser decisivo, já que de acordo com a Julia Reda, eurodeputada membro do Partido Pirata Alemão e que contesta veemente as novas regras, a diretiva deverá ser aprovada com 13 votos a favor e 12 contra.

António Marinho e Pinto já decidiu e vai mesmo votar a favor. O ex-bastonário da Ordem dos Advogados não se lembrava, quando falámos com ele por telefone na sexta-feira, que esta semana iria ter a votação da nova diretiva e admitiu que não viu nenhuma das cartas abertas que têm sido divulgadas. Apesar disso não tem dúvidas em como vai votar: “vou aprovar a nova diretiva, claro!”

“Não estão em causa direitos relevantes dos utilizadores. Esta é uma diretiva para cortar os abusos das grandes empresas americanas (e outras) que ganham milhões à custa dos autores e jornais europeus”, explicou ao DN Marinho e Pinto. O eurodeputado quer “introduzir ordem onde antes existia caos” e admite que escolas ou mesmo a Wikipédia podem ser excluídas da diretiva que “pode ainda ter correções”. Marinho e Pinto defende mesmo que “não se pode caricaturar a fotografia de uma pessoa, é preciso respeitar o autor da obra e a internet não é exceção”.

Insónias em Carvão pede bom senso humano

Um dos autores de alguns dos memes e paródias em fotos e vídeos mais populares na internet em Portugal é conhecido por As Minhas Insónias em Carvão. “Estou contra tudo o que signifique colocar nas ‘mãos’ de um algoritmo o que é ou não legal, sem o bom senso humano vai tudo a eito”, diz o autor que prefere manter o anonimato, até porque muitas das suas montagens são sobre o polémico mundo do futebol.

“Não consigo imaginar uma internet onde não se possa partilhar uma imagem – e nem falo só de memes”. O autor acredita que a diretiva “é apagar um fósforo com um tsunami” e não vai dar mais dinheiro aos proprietários dos direitos, já que “ninguém vai pagar a um banco de imagens para fazer um meme na internet”.

Sobre o papel dos memes e das caricaturas na sociedade atual, o autor explica: “as pessoas desvalorizam muito os memes, mas é uma forma de comunicação global, uma imagem de reação, uma fotografia com uma personagem a fazer determinada expressão e todo o mundo sabe o que estamos a falar”. O chamado pelos seus fãs de Insónias – que tem mais de 165 mil seguidores no Facebook e já viu caricaturas suas serem partilhadas por personalidades como J.K. Rowling (autora de Harry Potter) –, chama-lhes mesmo os “hieróglifos do século XXI”.

“Tudo o que censure uma partilha que não tenha um objetivo comercial sou contra”, explica Insónias. No fim de contas, regras como as que estão perto de ser aprovadas, para o autor, “vão fazer das redes uma coisa bem mais cinzenta, mais velha”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
UE quer controlar internet: Marinho e Pinto vs. Insónias em Carvão