Inovação

Investigação. CEB reforça aposta em projetos para o setor alimentar

A Letraria - Craft Beer Garden Porto é um projeto que teve origem no CEB. Fotografia: Artur Machado /Global Imagens
A Letraria - Craft Beer Garden Porto é um projeto que teve origem no CEB. Fotografia: Artur Machado /Global Imagens

O CEB reforçou a sua aposta na investigação para o setor alimentar, que em Portugal conta com mais de seis mil empresas

A cerveja artesanal Letra (empresa Fermentum) é, muito provavelmente, a spin-off mais conhecida do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho. Mas há mais. Desde 2002, este pólo de investigação já deu origem a 15 empresas. Agora e face ao crescimento no número de projetos para o setor alimentar decidiu criar uma linha autónoma para esta área.

O objetivo é intensificar a investigação para o setor alimentar, que em Portugal representa mais de seis mil empresas e vale 4% do volume de negócios do país. Como explica Eugénio Campos Ferreira, diretor do Centro de Engenharia Biológica (CEB), o número de projetos nesta área está em crescimento, assim como os investigadores que se dedicam a este trabalho.

A recém criada linha de investigação no ramo alimentar, que conta com 15 doutorados e mais de 40 investigadores juniores, tem projetos que visam melhorar a funcionalidade, qualidade, segurança e valor nutricional dos alimentos. Em fase de desenvolvimento está, por exemplo, um revestimento para alimentos (fruta e queijo, nomeadamente) que visa melhorar a capacidade de conservação, e também uma investigação para a criação de novos compostos bioativos. Todo este trabalho de investigação tem por meta final a sua utilização pela indústria alimentar.

O CEB acaba também de incorporar um laboratório sediado no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) e, desta foram, expandiu a sua presença em território nacional e reforçou a investigação nos setores alimentar e da saúde. Este pólo, que conta com 20 investigadores, irá centrar-se em projetos de tecnologia e inovação alimentar, numa abordagem biotecnológica, e na criação de bio nanomateriais funcionais e biossensores com vista ao desenvolvimento de soluções para o diagnóstico, monitorização e tratamento de doenças, como cardiovasculares cancerígenas e do envelhecimento.

Como refere Campos Ferreira, o trabalho do laboratório sediado no ISEP cruza com a investigação realizada no CEB, que tem uma linha na área da saúde muito forte, com projetos de nanoformulações para aplicações cosméticas, proteínas para biomédicas, produtos para a cicatrização de feridas, nanogéis para a artrite reumatoide, entre outros. Na saúde, há, por exemplo, projetos em fase de experimentação em animais, no caso, porcos, como é o caso dos vasos sanguíneos artificiais e estudos a decorrer para géis injetáveis para a regeneração de ossos.

O CEB conta agora com quatro linhas de investigação, a que se juntam às áreas de trabalho nos setores industrial, ambiental e da saúde. O centro responde por mais 400 investigadores e técnicos, com mais de 50 estrangeiros, de 25 nacionalidades. Atualmente, tem ao dispor financiamento para projetos na ordem dos 14 milhões de euros.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Artur Machado/Global Imagens.

Donos de alojamento local contestam agravamento das tarifas da água

Miguel Pina Martins, CEO da Science4you.

(Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)

Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro

(Carlos Santos/Global Imagens)

Porto de Setúbal: Acordo garante fim da greve às horas extraordinárias

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Investigação. CEB reforça aposta em projetos para o setor alimentar