Empresas

Investimento galego de milhões abre nova fábrica em Viana do Castelo

Fotografia: Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira
Fotografia: Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira Parque Industrial (Fulão)

Uma nova fábrica de transformação de atum, em construção em Vila Nova de Cerveira, vai arrancar em julho.

Uma nova fábrica de transformação de atum em construção em Vila Nova de Cerveira, num investimento galego de seis milhões de euros, vai começar a laborar em julho, gerando 200 novos postos de trabalho, avançou esta terça-feira fonte autárquica.

Contactada pela agência Lusa, a fonte adiantou que os trabalhos de construção da nova unidade “decorrem a bom ritmo”, apontando o mês de julho para o início da produção.

A Unidade Central Lomera Portuguesa, SA – que resulta do investimento de duas das mais importantes empresas da Galiza na área da transformação de pescado, a Marfrio e a Atunlo – está a ser criada no parque empresarial do Fulão, estimando-se que “a produção anual atinja as 20 mil toneladas de atum, destinadas ao mercado europeu”.

A nova fábrica está a ser criada naquele parque empresarial privado, também ele investimento galego, com quem a Câmara estabeleceu, em 2016, um protocolo de cooperação “para poder dar resposta às solicitações dos investidores”, sobretudo da vizinha Galiza, já que os dois polos empresariais criados na freguesia de Campos estão lotados.

“Estão lotados com cerca de 40 empresas, 90% delas de capital espanhol e que empregam cerca de 3.600 trabalhadores”, explicou a fonte.

O protocolo celebrado em 2016 entre a autarquia e a empresa proprietária do parque empresarial do Fulão, com cerca de 40 hectares, “determina que o município possa ser intermediário na venda dos lotes disponíveis e a construções Gradin, de Vigo, na Galiza, garanta a disponibilização dos terrenos e concretize as possíveis transações com a maior celeridade possível”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: DR

Telecomunicações: Há sete anos que preços sobem mais do que na UE

Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Acordo à vista para alargamento das 35 horas a 30 mil trabalhadores

31145227_GI240418JF040_WEB

Ryanair tem até 30 de junho para travar greve europeia

Outros conteúdos GMG
Investimento galego de milhões abre nova fábrica em Viana do Castelo