aviação

Embraer corta custos. Investimento em Portugal está assegurado

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Fabricante aeronáutica vai avançar com "otimização de custos nas sucursais em todo o mundo"

A Embraer prepara-se para reduzir 200 milhões de dólares (mais de 180 milhões de euros) em custos por ano, para fazer face aos prejuízos e à desaceleração por que o mercado da aviação está a passar. Os cortes vão abranger sucursais por todo o mundo, mas, para já, os investimentos em Portugal estão assegurados, apurou o Dinheiro Vivo.

O programa de reestruturação agora conhecido resulta de “um mercado global que já apresentava desaceleração em 2015”, refere fonte oficial da fabricante aeronáutica ao Dinheiro Vivo. “O mercado, como um todo, tem vindo a fazer ajustes, tanto no volume de produção como no número de trabalhadores, e os 330 milhões de dólares de prejuízos que a Embraer apresentou no segundo trimestre levaram a empresa a decidir reduzir custos”, detalha.

Esta redução de custos passa por um programa de rescisões voluntárias no Brasil, bem como “otimização de custos nas sucursais em todo o mundo”. Isto inclui “redução global de orçamentos de despesas, otimização dos níveis de estoque e revisão de outros itens de custos recorrentes, como, por exemplo, análise de contratos com fornecedores e consultores, otimização de recursos e medidas para aumento de produtividade”, especifica a mesma fonte.

Seja como for, garante, “o futuro da empresa depende dos investimentos que faz”, pelo que esses “serão mantidos” e isso inclui Portugal.

Atualmente, a Embraer conta com dois projetos em Portugal, nas fábricas que detém em Évora, que representam, em conjunto, um investimento de 93,6 milhões de euros (parte deste montante vem de apoios comunitários). A construtora aeronáutica brasileira está a adquirir novas máquinas e a ampliar as fábricas, para alargar as estruturas metálicas em oito mil metros quadrados.

Esta expansão das fábricas vai também servir para que as unidades estejam prontas para a produção em série dos E2, a nova geração de aviões comerciais E-Jets da Embraer.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Embraer corta custos. Investimento em Portugal está assegurado