Automóvel

ISQ ajuda a desenvolver chassis mais leves e resistentes

Pedro Matias, presidente do ISQ. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens
Pedro Matias, presidente do ISQ. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Instituto liderado por Pedro Matias pertence a um consórcio com a duração de três anos e que terá um investimento de mais de 1,3 milhões de euros.

O ISQ – Instituto da Soldadura e Qualidade – vai ajudar a desenvolver chassis mais leves e resistentes. Ao abrigo do projeto LightChassis, o instituto liderado por Pedro Matias pertence a um consórcio com a duração de três anos e que terá um investimento de mais de 1,3 milhões de euros.

“Este projeto trará grandes vantagens à industria automóvel já que a tendência do futuro – fruto de regulamentações, eficiência e segurança – é produzir componentes para carroçaria e chassis mais leves. Nesse contexto, o objetivo deste projeto é projetar um novo aço, com teor médio de manganês, que será um candidato para substituir os aços usados atualmente no componente do chassis e levar a uma redução adicional de peso”, explica Pedro Matias em nota enviada às redações esta segunda-feira.

O instituto português ficará responsável pelo “estudo de soldabilidade das novas ligas produzidas, bem como a caracterização metalúrgica e mecânica das juntas soldadas”. Será ainda feito um “estudo de impacto ambiental, através de metodologias de avaliação do ciclo de vida dos novos aços”.

As novas ligas serão projetadas através da utilização de modelação termodinâmica e cinética para ‘escolha manual’ das composições que são candidatas potenciais, levando em conta as propriedades mecânicas e a viabilidade industrial. Serão selecionadas as ligas mecânicas que apresentarem “propriedades mais promissoras não só para a produção de chassis, como de outros componentes utilizados na produção de veículos”.

Do projeto LightChassis, além do ISQ, fazem parte a universidade alemã RWTH Aachen University, a empresa alemã Salzgitter Mannesman Forschung, a espanhola Gestamp, a universidade grega de Thessaly e o centro italiano Ricerche FIAT.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
ISQ ajuda a desenvolver chassis mais leves e resistentes