Sucesso Made in Portugal

ISQ: Da realidade aumentada nos satélites às alfaces marcianas

A carregar player...

O Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) tem operado uma grande transformação nas suas operações por forma a seguir as tendências de mercado.

Mudam-se os tempos, mudam-se os negócios. Se alturas houve em que o ISQ era conhecido apenas pelos trabalhos que designam o seu nome – soldadura e certificações de qualidade -, agora o espectro do grupo português é muito mais abrangente.

“A introdução do digital dentro da fábrica, dentro do chão de fábrica, a questão ligada à Internet of Things (IoT), a conectividade, a sensorização, a comunicação entre todos os equipamentos que estão nas fábricas, obrigam a que os serviços sejam completamente diferentes. No caso do ISQ deixamos de inspecionar a máquina e passamos a inspecionar o sensor que inspeciona a máquina”, explicou o presidente do grupo, Pedro Matias.

Entre os projetos mais inovadores que a empresa tem realizado está a utilização de realidade aumentada nos processos de controlo da assemblagem dos satélites da Agência Espacial Europeia e o projeto Grow to Green, que permite cultivar vegetais com maior eficiência.

“Não tem químicos, não tem pesticidas, temos poupanças de água na produção de alface na casa dos 98%. Podemos produzir alface no deserto, podemos produzir alface em Marte, podemos produzir no corredor do supermercado”, adiantou o executivo do grupo ISQ.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
ISQ: Da realidade aumentada nos satélites às alfaces marcianas