Tecnologia

Já está disponível curso da Google para formar três mil portugueses em Android

google-china-960x540_c

Cinco instituições do ensino superior vão ser parceiras da iniciativa, mas os cursos vão ser feitos maioritariamente online.

A Google lançou esta quinta-feira a tão aguardada formação que prevê treinar três mil portugueses em programação para o sistema operativo Android. A empresa juntou-se a instituições de ensino e também à Beta-i, que vai ser responsável pela entrega dos certificados de aprendizagem.

As universidades de Lisboa e Porto, e os Institutos Politécnicos de Leiria, Setúbal e Cávado e Ave vão ser as instituições de ensino superior parceiras desta iniciativa. Este apoio será feito através de duas formas: com iniciativas locais, chamadas codelabs, onde os interessados poderão ter um primeiro contacto com o programa de aprendizagem em programação Android.

Os primeiros codelabs já estão agendados: 25 de março em Lisboa; 26 de março em Setúbal; 28 de março em Barcelos; 12 de abril em Leiria; apenas está por definir quando vai acontecer o primeiro codelab no Porto.

Já as formações propriamente ditas serão feitas através da plataforma de ensino online Udacity – os interessados podem iniciar o processo neste link. Estarão disponíveis três formações: uma mais básica, de 60 horas, que introduz os alunos às noções básicas da programação para Android; e outras duas, de nível intermédio, e com a duração de 60 horas cada, para aqueles que quiserem aprofundar os seus conhecimentos.

Cada instituição de ensino terá ainda entre cinco a dez professores certificados pela Google que vão dar apoio aos alunos que estiverem a fazer as formações online, como confirmou Andrés Martínez,
responsável pela ligação com a comunidade de programadores Android, ao Dinheiro Vivo/Insider. “Alguns alunos não estão habituados ao ensino online, por isso precisamos deste tipo de suporte”.

“Depois disto as pessoas podem aprender machine learning ou módulos de realidade aumentada”, adiantou ainda Andrés Martínez.

De destacar que os cursos online de aprendizagem em Android e criados por engenheiros da Google já estavam disponíveis, de forma gratuita, anteriormente, com a iniciativa em Portugal a destacar-se pelo apoio que vai ser dado pelas universidades.

“Reconhecemos Portugal como um país que tem investido no ecossistema digital”, disse Helena Martins, responsável de políticas públicas da Google, na apresentação do projeto. “O Android Training Program tem um enfoque mais limitado do que o Atelier Digital, é focado em pessoas que têm interesse em desenvolver competências de programação. Nunca fizemos este projeto noutro lugar do mundo e a ideia é experimentar, fazer os ajustes necessários para quem sabe extrapolar para outras instituições em Portugal e outros países”, explicou a porta-voz da empresa.

Na Europa, a plataforma Android já é responsável por ter criado dois milhões de empregos e a nível global, segundo dados da Google, gera três biliões de dólares de impacto na economia. Em Portugal, segundo dados revelados recentemente pela Landing.jobs ao Dinheiro Vivo/Insider, um programador Android tem à sua espera no mercado de trabalho um ordenado que varia entre 23 e 28,7 mil euros anuais brutos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Já está disponível curso da Google para formar três mil portugueses em Android