Exploração espacial

Jeff Bezos, o patrão da Amazon, tem planos para colonizar a Lua

Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon. Fotografia: REUTERS/Joshua Roberts
Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon. Fotografia: REUTERS/Joshua Roberts

É um dos homens mais ricos do mundo, mas Jeff Bezos quer expandir a sua influência até à Lua – e já tem algumas ideias de como a quer colonizar.

Não é segredo que há muitos milionários com o fascínio da exploração espacial: Elon Musk quer apostar em Marte e Richard Branson também quer explorar as viagens espaciais, com a Virgin Galactic. Jeff Bezos, o CEO da gigante de e-commerce Amazon, tem a empresa Blue Origin, criada também para projetos espaciais.

Bezos explicou na Space Development Conference, em Los Angeles, de que forma é que quer utilizar a Lua. Nos planos do multimilionário, a ideia é que a Lua possa vir a ser usada como um centro para indústrias pesadas, o que, segundo Bezos, ajudaria a conservar os recursos do planeta Terra.

“Vamos ter de abandonar este planeta. Vamos ter de o abandonar e isso vai fazer o planeta melhor”, explicou Jeff Bezos na conferência, acrescentando também que isto acontecerá “num futuro não tão distante – talvez décadas, talvez cem anos”.

Para o milionário, que surge todos os anos nos primeiros lugares dos mais ricos da Forbes, a Lua “tem luz 24/7 para alimentar células solares e água”, quase como se alguém “tivesse preparado tudo para nós”.

Bezos já tinha proposto que a Blue Origin tivesse uma parceria público-privada com a NASA, para criar uma base lunar para testes de avaliação à capacidade de manufatura e habitação na Lua. Para 2020, Jeff Bezos prepara os testes da New Glenn, o foguetão que vai suceder à New Shepard nos testes da empresa. Enquanto esse ano não chega, o milionário já pensa no que é que é possível levar para a Lua.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Jeff Bezos, o patrão da Amazon, tem planos para colonizar a Lua