Retalho Alimentar

Jerónimo Martins sobe lucros para 302 milhões até setembro

Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Grupo dono do Pingo Doce e da Biedronka reviu em baixa o investimento previsto para este ano, de entre 700-750 milhões para 650 milhões de euros.

A Jerónimo Martins registou lucros de 302 milhões de euros até setembro, mais 3,5% do que em relação a igual período do ano passado. O grupo dono do Pingo Doce e da Biedronka obteve nos primeiros nove meses do ano vendas de 13,7 mil milhões de euros, uma subida de 6,7% face ao ano anterior.

O grupo anunciou, no entanto, uma revisão em baixa das previsões de investimento para este ano: de um montante entre 700-750 milhões já anunciado, para 650 milhões de euros.

Até ao final de setembro, a Jerónimo Martins grupo investiu 405 milhões de euros, mais de metade desse valor (55%) foi canalizado para a Biedronka, já a expansão da Ara, na Colômbia, absorveu cerca de 14% do total.

O EBITDA do grupo atingiu o 757 milhões de euros, 6,7% acima do ano passado, apesar das perdas ao nível de EBITDA registadas pelas cadeias Ara e Hebe de 56 milhões, dos quais 91% atribuíveis à Ara. No mesmo período do ano passado as perdas tinham sido de 65 milhões.

“O acumulado dos três trimestres evidencia a notável capacidade das insígnias do Grupo crescerem consistentemente acima dos mercados onde operam. A centralidade conferida aos nossos consumidores e a prioridade dada às vendas, sem descurar a eficiência dos modelos de negócio, são os denominadores comuns e os motores do desempenho das nossas companhias”, diz Pedro Soares dos Santos, CEO da Jerónimo Martins, numa mensagem no relatório e contas.

“Na Colômbia, uma estratégia mais assertiva de sortido e de preço estimulou o crescimento acentuado das vendas e deu um contributo importante para a validação do potencial comercial do nosso portefólio de lojas. Com as nossas insígnias preparadas para aquele que é o último e mais relevante trimestre do ano, estamos convictos que entregaremos mais um bom ano de crescimento e rentabilidade”, afirma o CEO do grupo de distribuição alimentar.

O grupo gerou um cash flow de 356 milhões de euros tendo uma posição líquida em caixa de 60 milhões de euros.

Polónia: vendas de 9,2 mil milhões e 46 novas lojas

Na Polónia, a Biedronka as vendas atingiram os 9,2 mil milhões de euros, mais 7%, tendo a cadeia reforçado a sua quota de mercado, informa o grupo. “O crescimento life for like foi de 5,1% já refletindo o impacto de menos 10 dias de vendas no âmbito da regulamentação que impede as lojas de abrirem aos domingos”, pode ler-se no relatório e contas.

No período a cadeia abriu 46 lojas e encerrou 14, tendo havido 32 novas lojas, tendo o grupo fechado setembro com 2.932 espaços.

Hebe: abre 26 lojas

Até setembro a cadeia Hebe registou vendas de 180 milhões, uma subida de 25% face a período homólogo do ano passado, resultado que acomoda 10 dias adicionais de encerramento aos domingos na Polónia, destaca o grupo. Nos primeiros nove meses do ano, a Hebe abriu 26 lojas, terminando setembro com 255 localizações.

Pingo Doce: vendas sobem 2,9% e há mais 5 supermercados

Em Portugal, a inflação alimentar, que se manteve baixa ao longo dos nove meses, desacelerou nos últimos meses do período, tendo-se cifrado em 0,3% nos nove meses e de apenas menos 0,1% no terceiro trimestre, destaca a Jerónimo Martins. “Para este efeito contribuiu, em grande parte, a evolução do preço de frutas e legumes que tinham registado uma forte subida no terceiro trimestre de 2018”.

Nesse contexto, até setembro, o Pingo Doce registou um crescimento de vendas de 2,9%, para 2,9 mil milhões de euros, tendo o desempenho like for like (excluindo combustível) sido de 2,4%. No período a cadeia abriu 5 novos supermercados.

No Recheio as vendas cresceram 2,5% no período, para 757 milhões, com as vendas like for like a subir 3,4%.

Colômbia: 578 lojas até final de setembro

A colombiana Ara alcançou receitas de 560 milhões de euros até setembro, uma subida de 27,6% face ao ano anterior. A cadeia abriu 40 novas localizações, terminado o período com 578 lojas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Jerónimo Martins sobe lucros para 302 milhões até setembro