Energia

Jerónimo Martins paga fatura mais cara com energia renovável

Recheio no Algarve

Fotografia: D.R.
Recheio no Algarve Fotografia: D.R.

O grupo contratou com a Endesa o fornecimento de energia verde e instalou milhares de painéis solares em lojas no Algarve.

O Grupo Jerónimo Martins está cada vez mais verde. Depois de ter anunciado a decisão de contratar com a Endesa o fornecimento de eletricidade 100% proveniente de fontes renováveis para fazer face às necessidades de Pingo Doce, Recheio, Hussel e Jeronymo em Portugal, a empresa tem também um projeto-piloto de painéis fotovoltaicos em dois edifícios no Algarve. No total são 3876 painéis solares em 17 700 metros quadrados instalados na cobertura do Centro de Distribuição Sul, em Algoz, e da loja do Recheio de Tavira. A instalação e monitorização destas duas unidades de autoconsumo coube à Ikaros-Hemera, especialista em sistemas solares fotovoltaicos para o mercado empresarial, que já desenvolveu projetos semelhante com a IKEA em Portugal.

O investimento de 1,2 milhões de euros neste projeto-piloto foi realizado em parceria com a G2 ER Solar One, com o aconselhamento da Grow Energy Management, e permitirá à Jerónimo Martins uma autonomia energética de 34% face aos consumos dos dois edifícios onde foram instalados as centrais solares. No entanto, a restante energia continuará a ser adquirida à rede e ao fornecedor do grupo. Além disso, os quase quatro mil painéis solares vão evitar emissões anuais de 198,96 toneladas de dióxido de carbono, o equivalente à retirada de circulação de 111 carros ou ao consumo elétrico de 525 casas.

“A mais-valia prende-se com o facto de estes dois edifícios terem um consumo regular e constante, o que permite maximizar a rentabilidade da energia solar renovável e poupar até 36% do total da sua fatura elétrica”, explicou Duarte Caro Sousa, diretor-geral da Ikaros–Hemera. Para já, e a partir do próximo dia 1 de julho, “toda a energia elétrica fornecida às empresas do grupo em Portugal será proveniente de fontes renováveis”, explicou ao Dinheiro Vivo fonte oficial da Jerónimo Martins.

No ano passado, as necessidades de energia elétrica das empresas da Jerónimo Martins em Portugal foram de aproximadamente 1800 milhões de gigajoules, o equivalente a 190 mil toneladas de dióxido de carbono emitidas para a atmosfera. Mas se a pegada ecológica do grupo vai diminuir significativamente com esta decisão, a conta da luz, essa, vai aumentar.
“Esta decisão estratégica enquadra-se na política ambiental do grupo e não tem qualquer benefício financeiro uma vez que a opção de contratar eletricidade exclusivamente proveniente de fontes de energia renovável tem custos acrescidos.”

O Dinheiro Vivo sabe que a Endesa é o comercializador que vai fornecer a eletricidade de origem 100% renovável. Para que isto seja possível, e uma vez que, excluindo as fontes próprias, a eletricidade é composta pelas diferentes fontes de produção – renováveis e não renováveis, tudo misturado – que alimentam a rede de distribuição nacional, a Endesa compensará as necessidades anuais totais do grupo em Portugal, ao nível da energia elétrica, através de um resgate anual de certificados verdes (RECS ou equivalentes europeus).

Estas garantias de origem são certificadas a nível europeu porque em Portugal ainda não há uma entidade certificadora. O governo garantiu ao Dinheiro Vivo que até 2019 vai avançar com um sistema de certificação da energia renovável através da criação de garantias ou certificados de origem.
Na visão de Duarte Caro de Sousa, diretor-geral da Ikaros-Hemera, é importante que as grandes empresas apostem em projetos solares fotovoltaicos como investimento para o futuro: “Com este projeto, o Grupo Jerónimo Martins investe num dos recursos naturais mais importantes e com mais potencial no nosso país, o sol, e reforça o seu investimento na política de sustentabilidade ambiental.”
Instalados a cerca de 12 metros de altura, os novos painéis solares da Jerónimo Martins pesam mais de 200 toneladas e estão ligados às instalações de consumo, que por sua vez estão permanentemente ligadas à rede elétrica.

A localização, no Algarve, foi escolha do próprio grupo. “É natural que, sendo o Algarve a zona do país com mais irradiação solar, e para maximizar a produção de eletricidade dois sistemas fotovoltaicos instalados, tenham optado por fazer o projeto-piloto nesta região”, explicou o responsável da Ikaros-Hemera.

Quanto à possibilidade de replicar o projeto noutras lojas, mais a norte, a Jerónimo Martins esclarece que se trata de “um projeto experimental cujos resultados serão analisados cuidadosamente”. A empresa retalhista não comenta a possibilidade de investir na compra de um parque eólico, como fez a IKEA. Nos últimos quatro anos, e no âmbito da sua política de sustentabilidade, a dona do Pingo Doce já investiu mais de 65 milhões de euros e evitou a emissão de mais de 65 mil toneladas de carbono.

Com Ana Marcela

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão (E), fala durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento e Finanças, conjunta com a Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de janeiro de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

Jerónimo Martins paga fatura mais cara com energia renovável