Retalho Alimentar

Jerónimo Martins sob suspeita de irregularidades na Polónia

A Biedronka é a cadeia de supermercados polacos detida pela Jerónimo Martins. Fotografia: D.R.
A Biedronka é a cadeia de supermercados polacos detida pela Jerónimo Martins. Fotografia: D.R.

O grupo português poderá ter de pagar 3% sobre as receitas caso se confirmem irregularidades nas negociações com fornecedores na Polónia.

A operação da Jerónimo Martins (JM) na Polónia está sob investigação da autoridade da concorrência polaca. A UOKiK suspeita de vantagem comercial do grupo português face a fornecedores. Caso se confirme, a JM poderá ter de pagar uma coima de 3% sobre as receitas.

Segundo um comunicado emitido hoje (25 de setembro) pela UOKiK, as investigações realizadas à JM levantam dúvidas quanto às relações contratuais com os fornecedores, nomeadamente os de frutas e legumes.

Fonte oficial da JM confirmou ao Dinheiro Vivo que “a Biedronka foi notificada pelo UOKiK e que irá analisar e esclarecer eventuais dúvidas, no tempo devido”. O grupo português afirma-se convicto de que, “no desenvolvimento de relações com os seus fornecedores, a Biedronka age de acordo com a lei polaca”.

Dois descontos
O UOKiK considera que a JMP (Jerónimo Martins Polónia) beneficia de dois tipos de descontos. O primeiro está especificado no contrato e é usado após exceder o valor previamente determinado do volume de negócios.

O que preocupa a autoridade da concorrência polaca é o segundo desconto. Os fornecedores da Biedronka desconhecem o seu valor e só são informados sobre esse desconto no final do mês, após a conclusão das entregas. Caso os fornecedores recusem o desconto podem sofrer penalidades contratuais.

“A prática do proprietário das lojas Biedronka pode constituir uma violação e um aproveitamento da parte mais fraca do contrato”, diz a UOKiK no comunicado. “A Jerónimo Martins Polónia tem uma posição negocial mais forte e suspeitamos que a esteja a usar de forma injusta” adianta ainda.

Segundo o regulador, os fornecedores ao realizarem um contrato com a JMP “não sabem quanto ganharão”.

(notícia atualizada com resposta do grupo Jerónimo Martins)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Jerónimo Martins sob suspeita de irregularidades na Polónia